Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como naufragou de vez a chapa presidencial de PSDB, MDB e União Brasil

Terceira via enfrentou dificuldades externas, como o cenário de extrema polarização, e internas, como os rachas dentro dos próprios partidos

Por Da Redação Atualizado em 4 Maio 2022, 13h31 - Publicado em 4 Maio 2022, 11h29

O fracasso de uma candidatura única à Presidência que aglutinasse PSDB, MDB, União Brasil e Cidadania se deve a uma série de adversidades externas — como o cenário cada vez mais polarizado entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) —, mas também a rachas internos, que minaram o fortalecimento da tão alardeada união da terceira via. O resultado é que três ou mais candidaturas devem tentar ocupar agora o mesmo espaço.

A saída de campo do União Brasil, capitaneado pelo deputado Luciano Bivar (PE), que via nas tratativas com os demais partidos um “jogo de cartas marcadas”, é uma das razões do insucesso da aliança eleitoral e expôs as dificuldades do autointitulado “centro democrático”. O partido era o que tinha o maior caixa para gastar na campanha e o maior tempo de TV.

Outro motivo é a inflexibilidade da senadora Simone Tebet (MDB-MS) e do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB), que não estariam dispostos a abandonar a pretensão de serem cabeça de chapa. Em tese, os dois continuam dialogando mesmo sem a participação do União.

Soma-se a isso o racha interno vivido pelas três principais legendas do grupo. Apesar de ter vencido as prévias do PSDB em novembro passado, Doria não conseguiu de imediato obter o apoio irrestrito de seus correligionários, que continuaram apostando num plano B, representado pelo ex-governador gaúcho Eduardo Leite. Em nota pública recente, Leite abriu mão de uma eventual candidatura e declarou apoio a Doria, mas o estrago no partido já estava feito.

No MDB, enquanto o presidente nacional da sigla, deputado Baleia Rossi (SP), se empenha na defesa da candidatura de Tebet, caciques do Nordeste — como o senador Renan Calheiros (AL) e o ex-senador Eunício Oliveira (CE) — querem apoiar Lula. Outra ala do partido é próxima de Bolsonaro. Nesse cenário, considerando o histórico do MDB de valorizar as lideranças locais, é possível que, mesmo que Tebet seja candidata, emedebistas importantes façam campanha, na prática, para outros postulantes ao Palácio do Planalto.

A situação no União Brasil — partido que foi formado em 2021 pela fusão de PSL e DEM — não foi muito diferente. O grupo de Bivar queria priorizar o plano nacional, enquanto o do vice-presidente da legenda, ACM Neto, pré-candidato ao governo da Bahia, queria focar nas eleições nos estados. Além disso, no fim de março, o ex-juiz Sergio Moro migrou do Podemos, onde tentava viabilizar sua candidatura à Presidência, para o União, a convite de Bivar. Logo na chegada, outros caciques do partido — entre eles, ACM Neto — deixaram claro em notas públicas que ali não havia espaço para o ex-chefe da Lava-Jato se lançar ao Planalto.

Com um caminho tão tortuoso, e a consolidação da vantagem de Lula e Bolsonaro em todas as pesquisas de intenção de voto, a chapa única naufragou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)