Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como anda a investigação da rachadinha de Carlos Bolsonaro no Rio

Decisão da Justiça que quebrou o sigilo do filho Zero Dois do presidente faz aniversário de um ano no mês que vem

Por Reynaldo Turollo Jr. Atualizado em 8 abr 2022, 21h16 - Publicado em 8 abr 2022, 16h47

O Ministério Público do Rio de Janeiro deve receber no mês que vem todos os dados solicitados aos bancos após a Justiça autorizar a quebra de sigilo do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) — um ano depois da decisão judicial. O filho Zero Dois do presidente Jair Bolsonaro (PL) começou a ser investigado em 2019 por suspeitas de ter mantido funcionários-fantasmas em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio, que ganhavam salário sem trabalhar. No ano passado, a Promotoria pediu a quebra de sigilo dele, de assessores e familiares por suspeitar também de rachadinha — a prática de recolher parte dos salários dos servidores do gabinete, da qual o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) também é suspeito.

Os bancos enviaram aos investigadores dados parciais das quebras de sigilo, que começaram a ser analisados pelos técnicos do Ministério Público, mas pediram prorrogação do prazo para conseguir fornecer a totalidade das informações, devido ao grande volume — são quase trinta pessoas em um período de tempo extenso (Carlos é vereador há mais de vinte anos). O prazo de noventa dias dado aos bancos termina em maio. A partir daí, serão feitas as análises e cruzamentos de informações, o que costuma levar mais alguns meses.

Enquanto isso, os investigadores fluminenses esperam que o Supremo Tribunal Federal finalmente defina se rachadinha é crime de peculato, como tem defendido o Ministério Público em outros casos pelo país. Até hoje, o STF não condenou nenhum político pela prática, e há dúvidas no meio jurídico quanto ao seu enquadramento. O julgamento que deve orientar o entendimento do Judiciário sobre a rachadinha envolve o deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), mas tem sido sucessivamente adiado pelo Supremo. Já a investigação sobre o senador Flávio, referente à época em que ele foi deputado estadual no Rio, foi praticamente toda anulada pelo STF e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)