Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Comissão do Senado discute PEC que permite privatizar praias da União

Proposta de emenda à Constituição transfere a propriedade dos chamados 'terrenos de marinha' para estados, municípios e agentes privados

Por Victoria Bechara Atualizado em 27 Maio 2024, 13h47 - Publicado em 27 Maio 2024, 13h33

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado voltou a discutir uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que transfere a propriedade de terrenos públicos no litoral brasileiro, chamados de “terrenos de marinha”, para estados, municípios e agentes privados. Hoje essas áreas pertencem à União. 

Os proprietários de imóveis nesses locais, construídos antes da aprovação de legislações ambientais, pagam uma taxa anual à União para ocupar a área, além de outros impostos. Caso o projeto seja aprovado, pessoas e empresas privadas poderiam adquirir o terreno mediante pagamento. Para os estados e municípios, a transferência seria gratuita. A PEC também beneficia resorts e condomínios que possuem “praias particulares”.

O texto foi apresentado originalmente na Câmara, em 2011, pelos ex-deputados Arnaldo Jordy, José Chaves e Zoinho, e aprovado em 2022, mas estava parado no Senado desde agosto de 2023. A CCJ da Casa realiza uma audiência pública nesta segunda-feira, 27, para debater a proposta. Está prevista a participação dos prefeitos de Florianópolis, Topázio Neto, de Belém, Edmilson Rodrigues, e de Manaus, David Almeida, além de representantes do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima e entidades ligadas à proteção ambiental.

O relator na comissão, Flávio Bolsonaro (PL-RJ), deu parecer favorável à PEC. Ele alega que a mudança é necessária para regularizar as propriedades. “Os terrenos de marinha causam prejuízos aos cidadãos e aos municípios. Os cidadãos têm que pagar tributação exagerada sobre os imóveis em que vivem: pagam foro, taxa de ocupação e IPTU. Já os municípios sofrem restrições ao desenvolvimento de políticas públicas quanto ao planejamento territorial urbano em razão das restrições de uso dos bens sob domínio da União”, diz. 

Críticas

A PEC é duramente criticada por entidades ligadas à proteção ambiental. O Grupo de Trabalho para Uso e conservação marinha (GT-Mar), ligado à Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso, também se posicionou contra a proposta, sob o argumento de que a privatização das áreas pode causar prejuízos ao meio ambiente, impactar a pesca, acelerar o processo erosivo da costa brasileira e intensificar as mudanças climáticas.

Continua após a publicidade

“Um exemplo prático do ocorrido está em Balneário Camboriú (SC), onde a supressão das dunas e praias por calçadões e avenida beira-mar durante as últimas décadas acarretou severos impactos no ambiente de praia, tais como a diminuição da área de lazer da praia Central e o sombreamento da praia”, diz o GT.

A Articulação Nacional das Pescadoras (ANP), o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP) e o Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP) também divulgaram uma nota de repúdio ao projeto. “A possibilidade de privatização dos terrenos de marinha e a maior facilidade de agentes econômicos colocarem seus interesses junto a prefeituras e governos estaduais ocasionaria ameaças aos territórios de povos tradicionais, que habitam há décadas áreas hoje compreendidas nos terrenos de marinha, gerando conflitos fundiários, ameaças a culturas e aos modos de vida destas populações e à sua sobrevivência”, afirmam as entidades.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.