Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Com apoio do governo, isenção tributária de igrejas avança na Câmara

Texto de autoria de Marcelo Crivella teve apenas 3 votos contrários na CCJ

Por Bruno Caniato Atualizado em 13 Maio 2024, 21h02 - Publicado em 20 set 2023, 15h09

Em aceno à bancada evangélica, deputados da base governista deram sinal verde para uma medida que amplia a isenção de impostos para templos religiosos e outros segmentos. A proposta tem autoria do deputado Marcelo Crivella (Republicanos-RJ), bispo da Igreja Universal e ex-prefeito do Rio de Janeiro, e foi aprovada na última terça-feira, 19, pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 5/2023 foi relatada pela deputada Daniela Carneiro (União-RJ), ex-ministra do Turismo no atual mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, e aprovada sem alterações pela CCJ. Além das igrejas, o texto favorece sindicatos, partidos políticos e instituições de educação e assistência social sem fins lucrativos — entidades que já desfrutam de uma série de isenções fiscais e, pela nova lei, seriam beneficiadas também com imunidade tributária sobre geração de renda, crescimento do patrimônio e prestação de serviços.

Dos quarenta membros da CCJ presentes, apenas três votaram contra a PEC: Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e os petistas Patrus Ananias (MG) e Flávio Nogueira (PI). “Além da importância das igrejas para nos impulsionarem no caminho do bem, é fundamental o Estado estar presente com normas e, quanto mais tiramos dinheiro do Estado, mais estamos possibilitando os caminhos da desigualdade e da injustiça social”, justificou Patrus Ananias. O deputado Tarcísio Motta (PSOL-RJ) chegou a pedir que o tema fosse retirado da pauta da reunião, mas teve seu requerimento derrotado pelos colegas.

A aprovação do projeto pelos demais governistas sinaliza uma aproximação entre o Planalto e o setor evangélico da Câmara, que tradicionalmente pende à direita e foi pilar da presidência de Jair Bolsonaro. O próprio Crivella, que havia sido ministro da Pesca no governo Dilma Rousseff e depois elegeu-se para o Executivo carioca na onda bolsonarista em 2016, disse recentemente a VEJA que “todo evangélico deve orar para que o governo Lula dê certo e o Brasil cresça.”

Continua após a publicidade

Na sequência, a proposta será analisada por uma comissão especial da Câmara e, caso aceita, poderá ser votada em plenário.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.