Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cidade com alto índice de idosos, Santos vacina o triplo da média nacional

Com 20% dos moradores com idades acima de 60 anos, município do litoral paulista já imunizou 12% da população enquanto o país atingiu 4% e o estado, 5,4%

Por Tatiana Farah Atualizado em 9 mar 2021, 17h21 - Publicado em 9 mar 2021, 11h31

Uma das cidades com alto índice de idosos no país, Santos, no litoral de São Paulo, já vacinou 12% da população — a taxa é o triplo da média nacional (4%) e mais que o dobro da estadual (5,4%). Desde o início da vacinação, foram aplicadas 63.542 doses de imunizante na população local, sendo que 4% dos moradores já receberam a segunda dose do fármaco, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, 8, pela Secretaria Municipal de Saúde.

Santos tem uma população de 433,6 mil habitantes, sendo que mais de 20% têm idade acima de 60 anos. A média nacional para essa faixa etária é de 14%. O número de idosos, um dos grupos prioritários para vacinação, é um dos critérios para a distribuição de doses pelo Plano Nacional de Imunização. “Apostamos na velocidade da vacinação. Quando chegamos à imunização da faixa etária de 85 anos ou mais, fizemos tudo em apenas um dia”, afirmou à VEJA o prefeito Rogério Santos (PSDB).

O trabalho de vacinação começou antes mesmo que o prefeito tomasse posse do cargo em janeiro. No ano passado, durante a transição de governo, a cidade deu início a um plano de imunização, contratou e treinou 200 profissionais de saúde para vacinar a população. “Estamos usando todas as unidades básicas de saúde, ginásios esportivos, quadras de escola de samba e drive-thru. A média de espera em uma policlínica é de 40 minutos e a do drive-trhu é de duas horas”, afirmou o prefeito.

Santos já registrou 1.115 mortes e 36,8 mil casos da doença desde o início da pandemia, no ano passado. Hoje, as taxas de ocupação de leitos de enfermaria e  de UTI estão abaixo da média paulista — 51% e 61%, respectivamente, contra 64,8% e 80,9% do estado. Dos 171 internados em estado grave, 59%  são de cidades vizinhas. O município tem 630 leitos para Covid-19, sendo 257 de UTI. 

“Estamos na fase vermelha como todo o estado de São Paulo, mas nossos indicadores estão na fase amarela. A situação é de um certo controle, mas estamos muito preocupados com o quadro nacional. A gente sabe que o vírus não tem fronteira”, disse Rogério Santos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)