Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Chuvas no RS: mortes chegam a 154 e estado enfrenta novos recordes de frio

Nível do Guaíba fica estável abaixo de 5 metros, mas escoamento das águas deixa Lagoa dos Patos em alerta para inundações

Por Bruno Caniato Atualizado em 17 Maio 2024, 11h40 - Publicado em 17 Maio 2024, 10h30

Com a confirmação de mais três vítimas fatais, o total de mortes causadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul subiu para 154, segundo boletim divulgado às 9h desta sexta-feira, 17, pela Defesa Civil. Ao todo, quase 2,3 milhões de habitantes em 461 municípios foram afetados de alguma forma pelos temporais — 806 pessoas ficaram feridas e outras 98 ainda estão desaparecidas.

A intensidade das chuvas diminuiu nos últimos dias e as precipitações devem ser intermitentes ao longo do fim de semana, de acordo com o portal Climatempo. Por outro lado, as tempestades deram lugar a uma onda de frio intenso, devido à massa de ar polar que atravessa o estado, e a população vem enfrentando as temperaturas mais baixas do ano desde a última terça-feira, 14.

Na quinta-feira, 16, a temperatura mínima em Porto Alegre chegou a 6,7ºC e a máxima não passou dos 13,6ºC, consolidando o terceiro dia consecutivo de frio recorde na cidade, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A previsão, porém, é de uma ligeira elevação da temperatura nos próximos dias, pelo menos até a segunda-feira, 20 — até lá, os termômetros na capital devem marcar entre 10ºC e 20ºC ao longo do dia.

A situação no restante do estado é similar, com algumas regiões sofrendo com temperaturas mais baixas nas primeiras horas do dia, particularmente nas áreas da Campanha Gaúcha, na fronteira com o Uruguai. Nessas zonas, a maioria das cidades deve amanhecer com termômetros entre 6ºC e 8ºC, de acordo com o portal MetSul.

Continua após a publicidade

Estabilidade na bacia do Guaíba

Após semanas registrando cheias históricas, o Lago Guaíba e os rios que nele desaguam vêm mostrando estabilidade no volume das águas. O nível do Guaíba está abaixo de 5 metros desde a madrugada de ontem e vem caindo, marcando 4,70 metros na manhã desta sexta-feira, como indica o monitoramento realizado pela Secretaria de Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) estadual e o Serviço Geológico do Brasil (SGB).

A situação continua alarmante na Lagoa dos Patos, que recebe o escoamento das águas do Guaíba, mas dá indícios de um cenário menos crítico. Na tarde de ontem, a laguna transbordou e inundou parte dos municípios no entorno, como Pelotas, Capivari do Sul e São José do Norte — desde então, o nível baixou cerca de 6 centímetros e chegou a 2,74 metros na manhã de hoje, ainda muito acima da cota de inundação de 1,3 metro.

O risco de novos deslizamentos e enchentes continua alto em todo o estado em razão do acúmulo das chuvas, que começaram no último 30 de abril. O nível de vigilância é considerado “muito alto” pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemanden), conforme boletim desta sexta-feira, 17.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.