Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bilionário, União Brasil perderá seus maiores puxadores de voto para 2022

Partido que nascerá da fusão entre PSL e DEM precisará de bom desempenho eleitoral para manter cofre cheio, mas não terá mais os campeões nas urnas de 2018

Por José Benedito da Silva 1 jan 2022, 13h18

O União Brasil, que irá nascer da fusão do PSL e do DEM, tem planos de se tornar o maior partido brasileiro em 2022, tanto em número de deputados na Câmara quanto em dinheiro para financiar a legenda e a sua participação nas eleições.

A estimativa é que, com os reajustes dos fundos eleitoral e partidário aprovados pelo Congresso na semana passada, o novo partido tenha 1,05 bilhão de reais para gastar na eleição do ano que vem, a maior quantia entre todas as siglas. O PT, segundo colocado, terá em torno de 630 milhões de reais.

O cofre cheio é uma contribuição principalmente do PSL, que se tornou o novo-rico do sistema partidário brasileiro ao eleger 52 deputados federais em 2018 na esteira da onda conservadora que levou Jair Bolsonaro, então no partido, à Presidência da República.

Como a distribuição do dinheiro público para as eleições é feita levando em conta o desempenho dos partidos na última eleição legislativa nacional, para o União Brasil continuar sendo bilionário, será fundamental eleger o maior número possível de deputados federais em 2022.

Para isso, no entanto, terá um sério problema a superar: não vai poder contar com a maioria dos puxadores de votos que teve na eleição anterior após o racha com Bolsonaro, que deixou o partido no final de 2019.

Continua após a publicidade

Um bom exemplo é o de São Paulo. O deputado federal mais votado da história do país, Eduardo Bolsonaro (teve 1.843.735 votos em 2018), vai deixar o partido assim que a legislação permitir (em abril de 2022) para provavelmente ir para o PL, novo partido do seu pai.

Com ele devem ir também outros puxadores de votos no estado, como o “princípe” Luiz Philippe de Órleans e Bragança (118.457 votos), Coronel Tadeu (98.373) e Carla Zambelli (76.306).

Além disso, deixaram o PSL os deputados federais Joice Hasselmann, a segunda colocada em 2018, com 1.078.666 votos, e Alexandre Frota (155.522 votos) – a primeira vai e o segundo já foi para o PSDB.

Dos sete deputados mais votados do PSL em São Paulo na última eleição, só Júnior Bozzella (78.712 votos e apenas o 54% votado no ranking geral do estado) será candidato pelo União Brasil para 2022.

Outros estados

O problema se repete em outros estados. No Rio de Janeiro, por exemplo, Hélio Lopes, amigo do presidente Bolsonaro, foi o mais votado em 2018, com 345.234 votos. Também deverão deixar o PSL Carlos Jordy, Luiz Lima, Major Fabiana e Chris Tonietto, todos entre os dez mais votados da legenda no Rio.

Em Minas, o campeão de votos do PSL foi o ex-ministro Marcelo Álvaro Antônio, que deverá seguir com Bolsonaro. No estado mais bolsonarista do país, Santa Catarina, três dos quatro deputados mais votados pelo partido irão buscar outro rumo: Daniel Freitas, Caroline de Toni e Coronel Armando.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês