Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Barroso mantém investigação contra senador flagrado com dinheiro na cueca

Ministro negou pedido da defesa de Chico Rodrigues, alvo de inquérito da PF por supostas fraudes junto à Secretaria de Saúde de Roraima

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
18 fev 2022, 13h30

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR), notório por ter sido flagrado pela Polícia Federal com dinheiro entre as nádegas durante uma operação, bem que tentou, mas não conseguiu enterrar a investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Luís Roberto Barroso, responsável pelo inquérito, negou um pedido da defesa de Rodrigues e manteve a apuração, atendendo a uma manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Chico Rodrigues é investigado por participação em um suposto esquema de desvio de dinheiro na Secretaria de Saúde de Roraima, por meio da compra fraudulenta de kits de teste rápido para detecção da Covid-19. A operação que o tornou célebre foi deflagrada pela PF em outubro de 2020 e o parlamentar foi indiciado pelos investigadores em agosto de 2021 pelos crimes de peculato, advocacia administrativa, embaraço às investigações e lavagem de dinheiro. À época, Rodrigues era vice-líder do governo Bolsonaro no Senado.

A defesa do senador alegava que, mais de um ano após o início das apurações, os investigadores não reuniram indícios de sua participação no esquema de fraudes em licitações da Secretaria de Saúde de Roraima. O dinheiro encontrado pelos agentes junto ao corpo do senador, em tão inusitado local, diziam os defensores, seria destinado ao pagamento de funcionários de uma empresa de sua família.

Barroso, contudo, levou em conta o pedido da PGR e negou o arquivamento do caso. A Procuradoria sustentou que há, sim, indícios de que Chico Rodrigues participou das fraudes. Segundo a PGR, as investigações mostraram que ele usou sua influência política para beneficiar uma empresa no suposto esquema, a Haiplan Construções Comércio e Serviços. Rodrigues também não comprovou origem lícita do dinheiro encontrado pela PF durante a batida em sua casa – os valores não foram restituídos.

“Sem fazer qualquer juízo de valor a respeito dos fatos investigados, não verifico, neste estágio da apuração, a alegada ausência de justa causa para o prosseguimento do inquérito, sob pena de indevida interferência na formação da opinio delicti do titular da ação penal pública”, decidiu o ministro do STF.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.