Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

‘Ato político não é greve’, diz Ricardo Nunes sobre paralisação no Metrô

Prefeito enfrenta o segundo protesto de trabalhadores do transporte sobre trilhos da capital paulista em sua gestão

Por Da Redação
28 nov 2023, 10h10

Ao se referir à paralisação dos profissionais do Metrô e da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos (CPTM), o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), afirmou nesta terça-feira, 28, que “ato político não é greve”. A afirmação foi feita em publicação na rede social X, antigo Twitter, em que o prefeito republicou uma entrevista concedida por ele a jornalistas para falar da greve que interrompe parcialmente os serviços de transportes sobre trilhos, afetando milhares de paulistanos.

“Nós reforçamos nossas equipes da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), evidentemente que hoje liberamos os veículos do rodízio por conta desse ato político”, afirmou Nunes, ao descrever as ações da prefeitura para amenizar os impactos da greve. A postagem foi publicada sob o título: Ato político não é greve.

Esta é a segunda paralisação de servidores do transporte sobre trilhos neste ano, em protesto contra o plano de privatização de companhias como o próprio Metrô e a Sabesp. Mais ccedo, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), afirmou que as greves dos funcionários do Metrô, CPTM e também da Sabesp não vão afetar os planos de privatizações de sua gestão. A proposta de venda da Sabesp, por exemplo,  promessa de campanha de Tarcísio, tramita na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) com alguma dificuldade.

Em outubro, quando esses mesmos profissionais paralisaram as atividades por um dia, Tarcísio e Nunes também deram declarações públicas no sentido de afirmar que o ato era político, e com vistas às eleições municipais do ano que vem. As declarações foram feitas após possíveis adversários de Nunes em sua tentativa de se reeleger à prefeitura da capital, como os deputados federais Guilherme Boulos (PSOL), Tabata Amaral (PSB) e Ricardo Salles (PL), explorarem os atos politicamente, com postagens críticas à condução dos governos municipal e estadual nas redes sociais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.