Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Após horário de verão, governo mira tomada de três pinos e urna eletrônica

Fim do acordo ortográfico também vira alvo de Filipe Garcia Martins, assessor de Bolsonaro, discípulo de Olavo de Carvalho e um dos ideólogos bolsonaristas

Por Da Redação Atualizado em 8 abr 2019, 13h37 - Publicado em 6 abr 2019, 18h00

Depois de acabar com o horário de verão a partir deste ano – medida que divide o país -, o governo Bolsonaro já tem os próximos alvos: a tomada de três pinos, a urna eletrônica e o acordo ortográfico.

Pelo menos é isso que defendeu Filipe Garcia Martins, assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais. Aos 30 anos, discípulo do escritor Olavo de Carvalho, ele é considerado um dos principais ideólogos do bolsonarismo e um dos mais atuantes nas redes.

Seu post no Twitter – que pode ser irônico, mas não tem indicação disso – ganhou em oito horas quase 15 mil curtidas e mais de 2.700 retuítes, entre eles o do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A tomada de três pinos – teoricamente mais segura, porque tem o chamado fio-terra – foi tornada obrigatória em 2011 no governo de Dilma Rousseff (PT), mas era uma exigência desde 2000 do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que deu prazo aos fabricantes e consumidores para adoção do modelo.

Continua após a publicidade

Já o acordo ortográfico foi assinado em 1990 e previa unificar o idioma em todos os países de língua portuguesa. No Brasil, passou a ser adotado paulatinamente a partir de 2009, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Já as urnas eletrônicas – cujo fim é uma obsessão da trupe bolsonarista – começaram a ser adotadas em massa na eleição municipal de 1996, em 57 cidades (um terço do eleitorado total do país). A eleição presidencial de 2000 foi a primeira por esse sistema.

Os bolsonaristas tentaram, inclusive na Justiça, proibir o uso de urna eletrônica na eleição presidencial deste ano, que acabou tendo como vitorioso o seu líder, Jair Bolsonaro – após sua vitória, a gritaria pedindo o fim do sistema praticamente acabou.

Embora o post de Filipe Martins possa ser irônico, é bom lembrar que o fim dos três – tomada de três pinos, acordo ortográfico e urna eletrônica – já frequentou as discussões do entorno de Bolsonaro durante a campanha eleitoral.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)