Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Aplicativos reúnem 300 ônibus no Congresso em ato contra Pacheco e Lira

Manifestação prevista para esta quarta será contra projeto que dificulta a atuação de empresas de transporte rodoviário por meio de apps, como Buser e 4Bus

Por Da Redação Atualizado em 15 dez 2021, 13h17 - Publicado em 14 dez 2021, 20h39

Donos de empresas de ônibus fizeram uma paralisação em frente ao Congresso Nacional na manhã quarta-feira, 15, contra um projeto de lei que deve dificultar o serviço de aplicativos como Buser, 4Bus e Flixbus. A proposta proíbe a intermediação da venda de passagens pelas plataformas e também a venda de bilhetes individuais para viagens fretadas, que é exatamente como os apps operam no país.

Os organizadores reuniram cerca de 300 ônibus na Esplanada dos Ministérios a partir das 7h desta quarta, a maior parte deles com cartazes com mensagens como “todos contra o PL 3819” e “digam não ao monopólio dos ônibus”. A previsão inicial era reunir cerca de 500 veículos, mas o número ficou abaixo do esperado.

Uma entidade que é a favor do projeto, a Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), também reuniu poucas dezenas de ônibus em uma pequena manifestação paralela. A entidade disse, em nota, que empresas que receberam autorização para operar desde 2019, e hoje competem com empresas de tradição no setor, “não tem condição de garantir níveis aceitáveis de qualidade e segurança na prestação do serviço”.

Entre os alvos dos manifestantes estão o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) — que pautou o projeto para votação nesta semana, enquanto o Congresso já se encaminha para o recesso –, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que é filho de um empresário do ramo de transporte rodoviário: a família Pacheco é proprietária da Viação Real e da Santa Rita, que operam no Paraná e em Minas Gerais. Pacheco é apontado pelos manifestantes como o responsável por pressionar pela votação da proposta ainda neste ano. O texto, de autoria do senador Marcos Rogério (DEM-RO), ficou parado cerca de um ano na Câmara até a última semana.

O projeto cancelaria as autorizações de transporte rodoviário concedidas após 30 de outubro de 2019, o que atinge em cheio as empresas pequenas e médias que operam por meio de apps, e beneficia empresas tradicionais do setor. Para que essas empresas fossem  novamente autorizadas a oferecer viagens de ônibus, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) teria de avaliar se elas se encaixam nos novos critérios criados pelo projeto. Seriam autorizadas apenas empresas com capital social de no mínimo 2 milhões de reais. As empresas que operam com os aplicativos dizem que as exigências do projeto inviabilizam o transporte rodoviário por meio dos aplicativos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)