Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Alcolumbre pede desculpas a líder chinês por post de Eduardo Bolsonaro

Em nome do Congresso, do qual é presidente, senador envia ofício ao dirigente da China, Xi Jinping; um dia antes, Rodrigo Maia também havia se desculpado

Por Da Redação
19 mar 2020, 18h06

Depois do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi a vez de o chefe do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pedir desculpas à China, principal parceiro comercial do Brasil, por causa de um post feito pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em que acusava os chineses de terem contribuído para a expansão do coronavírus ao retardar a divulgação da descoberta do vírus.

Em ofício enviado ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanning, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que preside interinamente o Senado, diz que Alcolumbre – em licença médica por causa do coronavírus – o incumbiu de fazer chegar ao presidente chinês, Xi Jinping, o ofício em que reafirma a importância da parceria entre os dois países e pede desculpas pelo incidente.

“Assim, com arrimo na sólida parceria já existente entre Brasil e China, apresento a Vossa Excelência e a todo o povo chinês, em meu nome e em nome do Congresso Nacional, nosso respeito, solidariedade e também nossas desculpas”, escreveu Anastasia (veja íntegra da nota aqui).

Um dia antes, Rodrigo Maia escreveu no Twitter que a atitude de Eduardo Bolsonaro “não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com ritos da diplomacia”. “Em nome da Câmara dos Deputados, peço desculpas à China e ao embaixador Yang Wanning pelas palavras irrefletidas do deputado Eduardo Bolsonaro”, escreveu.

Dois dias após a polênica, Educardo Bolsonaro escreveu uma longa nota no Twitter na qual diz que não quis ofender o povo chinês e que, como parlamentar, tem o direito de propor o debate sobre qualquer assunto, inclusive sobre a responsabilidade do governo chinês no avanço do coronavírus.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.