Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Alckmin sobre a economia nos anos Lula: ‘Exemplo de responsabilidade fiscal’

Ex-governador evita comentar declarações recentes do petista de que pretende rever o teto de gastos e a reforma trabalhista, mas elogia governo do petista

Por Reynaldo Turollo Jr. Atualizado em 23 mar 2022, 13h38 - Publicado em 23 mar 2022, 13h37

Após a sua filiação ao PSB nesta quarta-feira, 23, o ex-governador Geraldo Alckmin, que deu sinais claros de que será candidato a vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, evitou comentar as propostas do petista de, caso eleito para um terceiro mandato, revogar a reforma trabalhista e o teto de gastos. “Não posso falar em nome do presidente Lula, mas a história dele é a história do debate, da busca do entendimento. Não tenho dúvida de que, nas grandes decisões, ele vai buscar ouvir, dialogar”, disse a jornalistas.

O possível vice de Lula ainda defendeu o legado dos governos do petista nas áreas fiscal e econômica. “Se há exemplo de responsabilidade fiscal é o governo do presidente Lula”, afirmou, acrescentando que o antigo adversário nos anos 2000 conseguiu melhorar a relação dívida pública/PIB.

O ex-governador também evitou se posicionar sobre as divergências em São Paulo entre o PSB, que quer lançar Márcio França ao governo, e o PT, que defende o nome de Fernando Haddad. Questionado sobre quem dos dois irá apoiar ou se defende que as siglas cheguem a um consenso para uma candidatura única, Alckmin disse apenas que “essa é uma conversa partidária”. “Há locais em que PT e PSB vão se apoiar reciprocamente, há locais em que vão disputar legitimamente”, afirmou. Ele acrescentou, no entanto, que “Márcio França tem todas as condições de ser candidato a governador, e pontua muito bem nas pesquisas”.

Sobre a sua provável aliança com Lula, que surpreendeu os eleitores mais conservadores de São Paulo que costumavam lhe dar votos, Alckmin disse que “política é convencimento” e anunciou que vai começar a viajar para “explicar, convencer” esse público. “Muitos veem com entusiasmo, outros nós vamos conquistando. Então, é uma tarefa”, afirmou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)