Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A volta discreta (e ao mesmo tempo radical) de José Genoino à política

Ex-presidente do PT e preso no Mensalão volta a ter protagonismo no partido com discurso que mira da aliança com Alckmin à 'política imperialista' dos EUA

Por Da Redação Atualizado em 27 jun 2022, 15h04 - Publicado em 27 jun 2022, 15h01

Um dos nomes mais emblemáticos da esquerda brasileira, o ex-guerrilheiro e ex-deputado José Genoino já experimentou o topo do poder, ao presidir nacionalmente o PT entre 2003 e 2005, exatamente quando Luiz Inácio Lula da Silva chegou ao Palácio do Planalto.

Também foi um deputado respeitado no Congresso, onde exerceu sete mandatos, o primeiro deles conquistado em 1982, dois anos após a criação do PT, do qual foi um dos fundadores. Antes, por doze anos, esteve no PCdoB e participou da Guerrilha do Araguaia, talvez o mais célebre levante armado contra a ditadura militar.

Mas caiu em desgraça a partir de 2005 quando foi denunciado por corrupção ativa e formação de quadrilha no escândalo do Mensalão. Os desdobramentos do caso o levariam à prisão na penitenciária da Papuda, em Brasília – de onde saiu para o regime aberto – e o obrigou a renunciar ao mandato na Câmara em dezembro de 2013.

Ele teve a pena extinta pelo Supremo Tribunal Federal em 2014, após um indulto da presidente Dilma Rousseff a todos os presos que estavam cumprindo pena em regime aberto. Em 2020, foi inocentado pela Justiça do crime de falsidade ideológica (por ter assinado falsos empréstimos ao PT) quinze anos depois do início da investigação.

Depois de um tempo no ostracismo, Genoino volta a ser uma voz importante dentro do PT. No final do ano passado, foi um dos que verbalizaram a insatisfação com a aliança com Geraldo Alckmin (PSB), com quem disputou o segundo turno da eleição para o governo de São Paulo — teve 41% dos votos.

Continua após a publicidade

Em maio deste ano, Genoino foi um dos dirigentes do partido escalados para receber Cristian Rodriguez, candidato a deputado na França como representante da América Latina pelo grupo de esquerda França Insubmissa, liderado por Jean-Luc Mélenchon, que venceu as eleições legislativas deste mês.

O ex-deputado federal José Genoino (no canto, à direita) na recepção ao representante da França Insubmissa Cristian Rodriguez (primeiro à esquerda)
O ex-deputado federal José Genoino (no canto, à direita) na recepção ao representante da França Insubmissa Cristian Rodriguez (primeiro à esquerda) PT/Divulgação

Nesta segunda-feira, 27, ele deu uma entrevista de 20 minutos para o jornal PT Brasil, da TV PT, onde falou como um político de novo na ativa, embora ainda não tenha dito, em nenhum momento, que pretenda ser candidato.

O Genoino que volta à política é bem mais radical do que aquele que, como presidente do PT quando o partido era governo, era tido como articulador e conciliador. Na entrevista, saudou a vitória da esquerda em vários países da América do Sul, criticou a “política imperialista” dos EUA contra Cuba e Venezuela e a “entrega” da Base de Alcântara, defendeu a taxação de fortunas, atacou iniciativas do ex-presidente Michel Temer como o teto de gastos e o projeto Ponte para o Futuro e defendeu políticas nacionalistas, de diversidade e de inclusão social.

José Genoino
O ex-deputado federal José Genoino em destaque no alto da página oficial do PT PT/Reprodução

Mas apesar do tom radical do discurso, ele defendeu, ao final, que a política precisa “encantar”. “A política só tem sentido se ela encantar. Não é a política do ódio, não é a política da vingança, não é a política do medo, como esses caras estão vendendo por aí’, disse.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)