Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A nova tentativa de Carla Zambelli de emplacar um parente na política

Na eleição de 2020, a deputada fracassou com pai, irmão e cunhada

Por Da Redação Atualizado em 1 mar 2022, 20h57 - Publicado em 2 mar 2022, 08h00

A deputada federal Carla Zambelli (União Brasil-SP) vai tentar de novo emplacar um parente na política, desta vez o seu marido, o coronel Aginaldo de Oliveira, com quem se casou em fevereiro de 2020, numa badalada cerimônia que teve como padrinhos os então ministros Sergio Moro (Justiça) e Abraham Weintraub (Educação).

Carla Zambelli durante o seu casamento com Aginaldo de Oliveira; ao fundo os então ministros Abraham Weintraub e Sergio Moro
Carla Zambelli se casa com Aginaldo de Oliveira; ao fundo os então ministros Abraham Weintraub e Sergio Moro Divulgação/Divulgação

Oliveira é diretor da Força Nacional de Segurança Pública desde janeiro de 2019, quando Jair Bolsonaro (PL) assumiu a Presidência da República. “Meu marido agora tem conta no Twitter, pré candidato a deputado federal no Ceará”, postou a deputada na segunda-feira, 28. Ela não informou a qual partido o marido, que é militar reformado da PM cearense, está filiado.

Eleita em 2018 na esteira da onda bolsonarista, Zambelli terá uma nova chance para emplacar um membro da família na política. Em 2020, ela viu frustradas as tentativas de seu irmão, Bruno Zambelli (candidato a vereador pelo PRTB na cidade de São Paulo); seu pai, João Hélio Salgado (candidato a vice-prefeito pelo Patriota em Mairiporã, na Grande São Paulo); e sua cunhada, Tatiana Flores Zambelli (que tentou uma vaga de vereadora na mesma cidade pelo PTB).

À época, a deputada vez campanha para os três e não escondeu a sua frustração ao ver o insucesso dos parentes. E foi ao Twitter cobrar a militância de direita. “O que houve com os conservadores? Erramos, nos pulverizamos ou sofremos uma fraude monumental?”, escreveu – aproveitando também a oportunidade para, mais uma vez, colocar em dúvida a lisura do processo eleitoral. Em 2020, o bolsonarismo naufragou na maior parte do país.

Sob o comando do coronel Aginaldo de Olivera, a Força Nacional de Segurança tem ganhado protagonismo. Nesta semana, a corporação, criada em 2004 e que reúne PMs, policiais civis, bombeiros militares e peritos estaduais, tinha 56 operações em andamento.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)