Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Quatro ameaças, três à Petrobras e uma ao país

Ideias que circulam em Brasília poderiam causar fortes perdas financeiras à estatal e acarretar o desabastecimento de combustíveis no mercado interno

Por Maílson da Nóbrega 26 Maio 2022, 16h36

Após demitir três presidentes da Petrobras que não se submeteram à sua pressão para baixar artificialmente o preço dos derivados de petróleo, Jair Bolsonaro parece ter chegado ao desespero com a persistência do aumento das cotações internacionais do petróleo, provocado pela guerra na Ucrânia. Começaram a surgir ideias, cujo impacto seria parecido como o decorrente do controle de preços desses produtos no governo Dilma.

Três propostas têm circulado. A primeira, a mais tresloucada, seria pura e simplesmente impor uma redução dos preços dos combustíveis, a qual tem sido defendida por parlamentares. A segunda seria estabelecer um intervalo de cem dias entre os reajustes. A terceira criaria uma banda de variação do preço internacional do petróleo (fala-se entre 85 e 125 dólares) dentro da qual não poderia haver alteração dos preços dos derivados. As três propostas impactariam negativamente nas receitas da Petrobras, podendo acarretar fortes prejuízos à empresa. As duas últimas teriam o apoio do Ministério da Economia.

Imagine, no caso do intervalo de cem dias, que a Petrobras fixasse um determinado preço e, alguns dias depois, um fato qualquer no mercado internacional provocasse uma elevação substancial nas cotações do petróleo. A empresa ficaria um longo período sem reajuste, sangrando suas finanças. Considere, no caso da banda de variação, que o valor de venda fosse fixado abaixo do equivalente a 85 dólares e que as cotações internacionais chegassem a um pouco abaixo de 125 dólares. A sangria seria semelhante, talvez maior. A não ser em regimes autoritários como o da Venezuela e de países árabes, dificilmente regras como essas são estabelecidas.

Além dessas ameaças à saúde financeira da Petrobras, prejudicando acionistas privados nacionais e estrangeiros, haveria duas consequências negativas para o país. A primeira ocorreria no mercado de combustíveis. Atualmente, há cerca de 300 empresas que atuam na importação de diesel, responsáveis por cerca de 30% das compras externas. Se os preços fossem fixados segundo esses parâmetros, tais empresas incorreriam em prejuízo e por isso desistiriam do negócio. Haveria queda no suprimento de diesel, o que poderia desorganizar o sistema de transporte, inclusive de safras. Haveria impacto inflacionário relevante. A segunda consequência seria criar perdas financeiras para os produtores de etanol, cujos preços variam em linha com os dos derivados de petróleo. Na era Dilma, muitas delas não puderam sobreviver ao controle de preços e faliram, provocando demissões e queda de oferta do produto.

Surpreende o citado apoio da equipe econômica às duas medidas de restrição ao reajuste de combustíveis. O próprio ministro Paulo Guedes defendeu publicamente que a Petrobras espaçasse os períodos de mudança nos seus preços. Essa equipe, tida como liberal, será inscrita entre os populistas que causaram danos ao país, caso se confirme seu apoio às ideias reprováveis que estariam sendo discutidas em Brasília.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)