Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Previdência: o governo não pode recuar antes do tempo

Ao admitir que pode aceitar alterações em partes da reforma, o presidente enfraquece a posição negociadora do governo e despreza os riscos de fracasso

Por Maílson da Nóbrega 28 fev 2019, 16h27

Em reformas complexas e polêmicas como é a da Previdência, o governo precisa dispor de um leque de estratégias, que incluem a preparação da proposta, a forma de lidar com os grupos contrários à medida, a comunicação para convencer a maioria, as negociações com o Congresso, os pontos inegociáveis e aqueles nos quais se pode ceder sem colocar em risco os objetivos básicos.

O governo não pode ceder ou sugerir que vai ceder logo na partida, mas é o que fez o presidente Jair Bolsonaro, em encontro com jornalistas, segundo o jornal Valor. Ele disse ser possível uma mudança na idade mínima para aposentadoria das mulheres, que na proposta está prevista em 62 anos (65 anos para homens).

Ainda segundo o jornal, o presidente também admitiu que pode ser alterada a regra para o Benefício de Prestação Continuada (BCP). Haveria, no dizer dele, “gordura”. Hoje, o BCP é de um salário mínimo e beneficia idosos pobres a partir dos 65 anos. Na proposta, o valor seria de R$ 400 reais, concedido a partir de 60 anos. O valor de um salário mínimo só beneficiaria os que completassem setenta anos.

O presidente não poderia admitir explicitamente que existe “gordura” na proposta. Nem admitir que aceita alterações nos seus parâmetros e valores, antes mesmo do início da tramitação da reforma na Câmara dos Deputados. Isso enfraquece a posição negociadora do governo e emite um mal sinal para o Congresso, qual seja o de que o governo pode ceder até mais do que o admitido por Bolsonaro.

Os autores da proposta devem estar de cabelo em pé, temerosos de que novas entrevistas do presidente reduzam a capacidade da equipe econômica de resistir às investidas de parlamentares e de poderosos grupos corporativistas, que lutarão para ficar bem com seus eleitores ou para manter privilégios. Uma grande desidratação mexeria com as expectativas do mercado o poderiam gerar quedas graves de confiança, com sérias consequências negativas para o equilíbrio macroeconômico, para o controle da inflação e para o crescimento da economia.

O presidente pode ter agido por inexperiência ou pela ausência de convicção firme sobre os pontos mais duros da proposta. É tempo de controlar suas opiniões, pois o fracasso da reforma poria em risco a sustentação de seu governo, sem contar os efeitos deletérios nos campos econômico, social e político.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)