Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Por um TCU novo e melhor

Essa é uma modernização que precisa ser feita

Por Maílson da Nóbrega 25 Maio 2018, 06h00

Diante das dificuldades de distribuição da revista decorrentes da greve dos caminhoneiros, VEJA, em respeito aos seus assinantes, está abrindo seu conteúdo integral on-line.
A auditoria de contas públicas existe há séculos. Um auditor do Tesouro inglês já fazia isso em 1314. Com o término da monarquia absoluta na Inglaterra (1688), as contas do rei passaram a ser auditadas pelo Parlamento, uma novidade.

No Brasil, a Constituição de 1891 se inspirou na Carta Magna dos EUA para adotar o federalismo e o presidencialismo. Preferiu, todavia, o modelo da corte de contas da França para criar o Tribunal de Contas da União (TCU), dotado do poder de punir e corrigir. A auditoria americana, mais recente, nunca teve essa prerrogativa.

O TCU é vinculado ao Poder Legislativo, mas seus membros são ministros e vestem togas como se juízes fossem. Dois terços deles são escolhidos pelo Congresso, exigindo-se “notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos e financeiros ou de administração pública”. Nem todos preenchem esses requisitos. A escolha é frequentemente um prêmio conferido a aliados políticos. Os auditores do TCU, concursados, estão entre os mais capazes do serviço público. Conheço trabalhos seus de alta competência técnica. Diz-se que há conflitos entre eles e ministros quando recomendações técnicas podem desagradar a supostos correligionários.

É escassa a competência técnica em tribunais de contas de estados. Nesses, faltam também práticas de boa governança. Recentemente, membros do tribunal do Rio de Janeiro foram presos por corrupção. Nos municípios, há tribunais de contas no Rio e em São Paulo. No país, é nessas unidades que a corrupção é mais endêmica. A fiscalização é uma calamidade. Caberia extinguir os dois tribunais e recorrer a auditoria privada, como em países desenvolvidos.

Há tempos se discute a forma de atuação do TCU. Decisões que suspendem a execução de obras e bloqueiam contas de empresas criam incertezas, provocam transtornos, elevam custos e retardam investimentos.

Continua após a publicidade

Tais contratempos poderão ser mitigados pela recente Lei Nº 13 655, de 25 de abril de 2018. Seu artigo 20 estabelece que, “nas esferas administrativa, controladora e judicial, não se decidirá com base em valores jurídicos abstratos sem que sejam consideradas as consequências práticas da decisão”.

Poder-se-ia agora rever a natureza jurídica do TCU, substituindo-o por uma moderna agência independente de auditoria, do tipo existente em países de tradição anglo-saxônica. Seria, contudo, uma saída de difícil aprovação.

Outra opção: rever a forma de atuação do Tribunal, consolidando a missão, que de certo modo já exerce, de avaliar o desempenho de políticas e programas governamentais. Essa, aliás, é uma tendência mundial. Os quadros do TCU estão aptos a contribuir, ademais, para aumentar a produtividade da economia, nos moldes da Productivity Commission da Austrália.

Caberia, enfim, rever a forma de indicação dos seus ministros e de membros de tribunais de contas estaduais e municipais. Todos seriam escolhidos entre especialistas, na forma como se designa a diretoria do Banco Central.

Essa é uma modernização que precisa ser feita.

Publicado em VEJA de 30 de maio de 2018, edição nº 2584

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)