Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Enquanto o mundo exalta Zelensky, Bolsonaro o desmoraliza

O presidente declara injustificável neutralidade do Brasil diante da invasão russa e prefere a ironia ao invocar o passado de comediante do líder ucraniano

Por Maílson da Nóbrega 1 mar 2022, 11h42

Não é apenas em sua injustificada defesa da neutralidade do Brasil em face da invasão da Rússia que o presidente Jair Bolsonaro erra, mais uma vez. Não há como distanciar-se de uma agressão que viola regras básicas do direito internacional e da diplomacia, plasmadas nos últimos mais de duzentos anos desde o Congresso de Viena de 1815. Nesta reunião, reorganizou-se a ordem geopolítica da Europa após o fim das guerras napoleônicas. 

A invasão russa retrocedeu ao ambiente em que o mais forte impunha sua vontade aos mais fracos, que começara a mudar com os acordos de Vestifália de 1648, assinados após o fim da Guerra dos Trinta Anos. Esses acordos lançaram as bases da ideia do estado-nação, reconhecendo-se a integridade territorial dos países e a soberania de seus povos para decidir sobre o seu próprio destino. O Congresso de Viana solidificou o conceito. 

A maioria esmagadora dos países condenou a invasão da Ucrânia. Na América Latina, a Rússia foi apoiada apenas por estados-pária, a Venezuela e a Nicarágua. Na Ásia, por razões conhecidas, a China e a Índia se abstiveram em apoiar a resolução do Conselho de Segurança da ONU que condenava o injustificado ato de guerra da Rússia. Embora o Brasil tenha apoiado a resolução, Bolsonaro decidiu isolar o país do mundo quando declarou a neutralidade. Até a Suíça – que se caracterizara por sua neutralidade estratégica por mais de um século – decidiu juntar-se aos países que impuseram fortes sanções contra a Rússia. 

Não satisfeito com o posicionamento inconsequente em relação à atitude condenável da Rússia, Bolsonaro desprezou a avaliação positiva que a imprensa mundial tem feito sobre o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky. Todos o tratam como herói, realçando sua coragem, sua capacidade de enviar mensagens ao seu povo e ao mundo, valendo-se, além da inesperada liderança, de suas habilidades em manejar a palavra – fruto de sua experiência como ator – e em mobilizar seu povo em favor da defesa do país e da reação aos invasores, usando até coquetéis Molotov. Zelensky preferiu permanecer à frente do governo, recusando a oferta americana de retirá-lo para um lugar seguro. Disse que preferia munição a uma carona. 

Bolsonaro decidiu ironizar, lembrando que os ucranianos “escolheram um comediante” para seu presidente. Ao contrário de Zelensky, nosso presidente não sabe comportar-se diante de situações relevantes, que clamam pelo exercício da liderança consequente.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês