Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Atenção para as doenças trazidas por chuvas e enchentes como no RS

Problemas por contaminação de água e alimentos como a diarreia, por contato como a leptospirose, e por mosquitos como a dengue preocupam

Por *Renato de Ávila Kfouri
Atualizado em 13 Maio 2024, 09h45 - Publicado em 13 Maio 2024, 09h43

Não bastasse todo o drama vivido com os alagamentos que assolam o Rio Grande do Sul, a população que lá vive ainda está sob risco de epidemias de doenças comuns em situações como essas, o que aumenta significativamente o impacto de uma tragédia, se não anunciada, pelo menos esperada.

A exposição a águas de enchentes, a falta de saneamento e água potável, ingestão de alimentos sem a adequada higiene e a proliferação de mosquitos transmissores de doenças, além do convívio em aglomerações, são exemplos de situações que colocam em risco a saúde de todos, especialmente de grupos sabidamente mais vulneráveis (crianças, idosos, gestantes e portadores de doenças crônicas). Vale a pena lembrar que o acesso aos serviços de saúde nessas condições é sempre muito mais difícil.

Três formas de transmissão e disseminação de doenças se destacam nesses momentos. Ingestão, contato e transmissão por vetor.

Doenças transmitidas por ingestão de água ou alimentos contaminados

As diarréias respondem por uma parcela significativa de manifestações intestinais da contaminação alimentar, muitas vezes levando à desidratação e agravamento de doenças de base. Outra doença que tem a ingestão de água e alimentos contaminados é a hepatite A, inflamação no fígado causada por um vírus, que provoca dor abdominal importante, amarelamento na pele, urina escura e fezes esbranquiçadas. Na maioria das vezes, tem boa evolução, porém, pode levar a quadros fulminantes que necessitam transplante de fígado. Não são raros os surtos da doença em locais de enchentes.

Continua após a publicidade

A bactéria causadora da febre tifóide (Salmonela) também é fonte de contaminação, gerando quadros de vômitos e diarréias de difícil controle e que requer tratamento específico.

Doenças transmitidas por contato

A leptospirose é a doença mais freqüente e temida em pessoas que tiveram contato com águas de enchentes. A bactéria causadora da doença é transmitida pela urina do rato e se dissemina pelas águas das enchentes, adentrando nosso organismo através de ferimentos ou das mucosas (olhos, nariz e boca). Leva a uma doença potencialmente grave, com dores no corpo, febre, cansaço, vermelhidão na pele, náuseas e até meningite. Sua forma mais grave com sangramentos pode levar à morte.

Os acidentes com perfurações e cortes por matérias contaminados podem também causar o tétano, doença que ainda ocorre em nosso país e de alta letalidade.

Continua após a publicidade

Doenças transmitidas por mosquitos

Em plena pandemia de dengue, águas acumuladas são fonte e criadouros ideais para a proliferação de mosquitos, especialmente nosso velho conhecido Aedes aegypti, transmissor não só da dengue, mas também da febre amarela, zika e chikungunya.

Não podemos nos esquecer dos acidentes com animais peçonhentos (cobras, aranhas, escorpiões) além de mordeduras com risco de transmissão da raiva.

Atenção é essencial

Continua após a publicidade

As autoridades sanitárias precisam estar atentas e ter planos de contenção, diagnóstico e tratamento dessas condições, além de orientar sobre as principais formas de prevenção.

– Sempre que possível lavar os alimentos e evitar consumi-los crus

– Na falta de água própria para consumo, usar hipoclorito numa mistura com água (1 colher de sopa para cada litro de água) para higienizar frutas e verduras, com o intuito de reduzir a contaminação

– Ingerir água da melhor procedência possível

Continua após a publicidade

– Evitar o contato prolongado com água das enchentes – usar botas, luvas, sacos plásticos como forma de proteção.

– Andar sempre calçado para prevenção de ferimentos cortantes e perfurantes

– Usar repelentes, reduzindo o risco de adquirir doenças transmitidas por mosquitos

– Devemos disponibilizar soros e vacinas e medicamentos para essas doenças e medicamentos, tanto para o combate às infecções como para garantir a continuidade do tratamento das condições de saúde pré-existentes

Continua após a publicidade

E por fim, se tiver algum sintoma, lembrar de informar ao profissional da saúde que teve contato com água de enchentes, porque essa informação certamente facilitará o encaminhamento, diagnóstico e o adequado tratamento.

Força aos gaúchos, o Brasil está unido a vocês.

*Renato de Ávila Kfouri é médico infectologista, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e pediatra, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.