Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Letra de Médico Por Cilene Pereira Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Pandemia, um ano depois: o impacto na saúde mental dos médicos

Não só o atendimento ao paciente em si, mas a atualização constante sobre novos protocolos, técnicas, medicamentos etc, pode ser extenuante

Por Marcelo Bendhack Atualizado em 18 mar 2021, 23h18 - Publicado em 5 mar 2021, 14h40

Não foi a pandemia do novo coronavírus que desencadeou a piora na saúde mental e emocional dos médicos no Brasil e no mundo. Antes, muito antes, uma boa parte dos médicos e profissionais da saúde já apresentava sintomas e transtornos depressivos, ansiedade e estresse.

De modo geral, e segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, cerca de 12 mil pessoas tiram a própria vida por ano, quase 6% da população. No mundo, são cerca de 800 mil de suicídios anuais. O Brasil só perde para os EUA. A cada 46 minutos um brasileiro tira a própria vida. No entanto, a OMS afirma que o suicídio tem prevenção em 90% dos casos.

Entre profissionais de saúde, a taxa de suicídio é de três a cinco vezes maior do que na população em geral. A exaustão pode ser fruto da cobrança inerente à profissão, ao dia a dia do trabalho ou ainda por questões individuais e sociais.

Sim, a pandemia agravou a pressão sobre os médicos, que passaram a ter inúmeras demandas, atendimentos extenuantes, não só entre os que estão linha de frente no combate à covid-19, mas também para profissionais de diversas especialidades, seja no ambiente hospitalar, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou nas clínicas particulares.

Além do atendimento ao paciente, que é a parte mais visível do trabalho, médicos e demais colegas da área da saúde têm que se manter atualizados sobre novos protocolos, procedimentos, técnicas, cirurgias, medicamentos. Essa atualização é constante, até porque dependemos disso para acompanhar o que é mais seguro e efetivo para o paciente. E, não é raro, não só acompanhar, mas também desenvolver e participar de estudos, projetos, pesquisas, análises. Esse é um trabalho igualmente extenuante, mas que geralmente não é visível para a sociedade.

Vale ressaltar ainda que a pandemia jogou muito mais luz às atividades dos médicos e dos profissionais de saúde. Colocou holofotes e lupas, e ampliou com destaque a conduta, os métodos, as práticas exercidas por esses profissionais. Até com certa razão, a sociedade, cada vez mais interessada em tudo que envolve a saúde no Brasil, tem debatido exaustivamente isso, sobretudo na arena das redes sociais.

Continua após a publicidade

Apesar da importância do debate, muita gente não compreende bem os meandros da medicina, tem pouco conhecimento e embasamento técnico e científico. A sensação é que temos 212 milhões de especialistas em medicina e saúde analisando a tudo e a todos cotidianamente.

Vale a pena incentivar essas discussões, bem como admitir críticas, que podem ajudar a melhorar a performance de qualquer profissional, e isso inclui médicos e outros profissionais de saúde. No entanto, que se respeite e se tenha cuidado, critérios e conhecimento de causa para não emitir opiniões sem responsabilidade ou embasamento.

Há que se pensar ainda isoladamente no indivíduo. Algumas pesquisas apontam que aqueles que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus têm até 95% mais chance de desenvolver depressão. É preciso compreender que eles são seres humanos e podem adoecer também.

Apesar da urgência da Covid-19, dos intermináveis e cansativos atendimentos, sobretudo nas UTIs, não se pode negligenciar o lado emocional desses profissionais. Não há razão para criar estigmas e preconceitos quanto à saúde mental deles. Às vezes, estão sobrecarregados e pressionados pelo acúmulo de funções, o que afeta diretamente a produtividade.

Além dos sinais de depressão e ansiedade, precisamos ficar muito atentos ao estresse, que é prejudicial à saúde e pode trazer danos físicos e mentais. Por isso, nunca foi tão necessário conciliar a vida pessoal e profissional, manter hábitos saudáveis, ter tempo e espaço para o lazer, para uma boa leitura e ainda mais para atividades físicas.

Sem medo, sem tabu e sem preconceito, ao perceber sinais de desestabilização da sua saúde mental, procure ajuda especializada, uma terapia ou outro tratamento que melhor se ajuste às suas necessidades. Porque para poder ajudar os outros é preciso se ajudar. E, mesmo em meio ao caos, é possível encontrar harmonia.

  • Leia também: Economia do Brasil sofre com gestão da pandemia e encolhe diante do mundo
Letra de Médico - Marcelo Bendhack
./Divulgação
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)