Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Letra de Médico

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Mortalidade materna: as principais causas e como dar suporte às novas mães

Protocolos assistenciais personalizados, capacitação de equipe multiprofissional e ações educacionais contribuem para a melhora dos resultados

Por Mônica Maria Siaulys*
Atualizado em 9 Maio 2024, 15h15 - Publicado em 2 Maio 2024, 11h09

A mortalidade materna, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é definida como a morte de uma mulher durante a gestação ou até 42 dias após o término da gestação. Ela é assim classificada independentemente da duração ou localização da gravidez, por qualquer causa relacionada ou agravada pela gestação ou por medidas em relação a ela, porém não por causas acidentais ou incidentais. Habitualmente contada a cada 100.000 nascidos vivos, deve ser, no entanto, um evento pouco frequente.

De acordo com dados divulgados recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice de mortalidade materna no Brasil apresentou redução importante no último ano, saindo de 117 óbitos maternos a cada 100.000 nascidos vivos em 2022 para 57 óbitos maternos para cada 100.000 nascidos vivos em 2024 e, retornando assim, aos índices pré-pandemia. Porém, ainda há um longo caminho a ser percorrido para que a oferta de cuidado da saúde da gestante seja melhor durante o ciclo gravídico puerperal no país.

A mortalidade materna é um indicador relevante da qualidade de vida da população, pois, na imensa maioria das vezes, é um evento que poderia ter sido evitado. Como do ponto de vista técnico já existe o conhecimento científico para se reverter essa situação, quando se analisa formalmente um óbito materno, encontram-se duas vertentes: de que o cuidado não foi feito como deveria ou, se realizado, foi tardiamente.

Além disso, sabe-se que a distribuição dos óbitos maternos não ocorre de maneira uniforme no Brasil, com grandes diferenças entre as regiões, estados, cidades, municípios, hospitais e as diversas etnias existentes no Brasil. De maneira geral, a população com baixo poder econômico, baixa escolaridade, adolescentes, negras, indígenas e mulheres que vivem em áreas rurais e/ou de difícil acesso aos serviços de saúde são as mais atingidas.

A morte materna traz, ainda, profundos impactos para a família e sociedade. Estudos atuais mostram que filhos de mães que morreram no parto têm expectativa de vida menor. Portanto, para alcançar resultados melhores devemos focar em estratégias que garantam que o conhecimento da equipe multiprofissional chegue até a paciente em forma de cuidado, o que nem sempre é uma tarefa fácil.

Continua após a publicidade

Foi exatamente pensando nisso que, nas maternidades do Grupo Santa Joana, desenvolvemos um programa robusto de redução de mortalidade materna com foco no atendimento das principais causas de mortalidade materna no país: doença hipertensiva da gestação, hemorragia e doenças infecciosas, seguidas de doenças cardiovasculares e, mais recentemente, a questões relacionadas à saúde mental. O ciclo gravídico puerperal é um período de muitas demandas emocionais e os casos de suicídio nesse grupo específico de pacientes vem aumentado.

O programa contempla:

  • Desenvolvimento de protocolos assistenciais personalizados (que são adaptados à realidade de trabalho local) e que padronizam o atendimento de gestantes acometidas pelas doenças que mais frequentemente levam ao óbito materno. Isso facilita o reconhecimento dessas doenças e, com a criação de fluxos especiais de atendimento, garante agilidade para o início do tratamento. Quando se fala de um caso de hemorragia obstétrica, onde potencialmente a gestante pode perder toda sua volemia em poucos minutos, qualquer atraso no atendimento passa a ser significativo, podendo comprometer o resultado clínico;
  • Capacitação e manutenção da educação continuada da equipe multiprofissional com estratégias híbridas de educação, que incluem aulas presenciais e online, e-learning e sessões presenciais utilizando simulação realística. Excelência é prática. Quanto mais se treina, melhor será o desempenho. Além disso, profissionais treinados em um mesmo modelo mental tendem a trabalhar de maneira mais harmoniosa e coordenada;
  • Monitorização contínua dos nossos resultados com os indicadores clínicos assistenciais;
  • Educação de pacientes e familiares com o objetivo de alertá-los para as situações em que devem buscar avaliação médica e evitar que o cuidado seja realizado tardiamente.

Para se ter uma ideia, por meio desse programa, alcançamos resultados que são semelhantes ou menores que os melhores resultados mundiais, ou seja, de cinco óbitos maternos para cada 100.000 nascidos vivos. Isso mostra que a adoção de processos bem definidos contribui e muito para resultados melhores.

* Mônica Maria Siaulys é diretora médica do Grupo Santa Joana

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.