Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Simone Tebet: “Reforma tributária vai reduzir a desigualdade”

Frase

Por José Casado Atualizado em 11 abr 2022, 18h07 - Publicado em 11 abr 2022, 18h00

“Nós estamos vivendo tempos difíceis, estamos diante de retrocessos e não podemos ficar omissos (…) Os partidos hoje são a cara do Brasil, e o Brasil também está desunido, mas o mostra que quer uma alternativa de poder. Há uma franja muito grande dos eleitores que não querem uma volta ao passado, da mesma forma que há uma franja grande que não quer continuar com esse atual desgoverno. Um presidente que tem quase 60% de rejeição está, hoje, no segundo turno por qual razão? Porque o centro democrático ainda não apresentou o seu candidato. O foco do centro democrático, e o foco da minha pré-candidatura, é aquilo que está no artigo terceiro da Constituição: ‘Erradicar a miséria’. Isso é possível. Temos algo em torno de 5,7% da população brasileira baixo da linha da pobreza, na mais absoluta miserabilidade. São 27 milhões de pessoas que não comem direito e apenas fazem, no máximo, uma e meia refeição. Temos cinco milhões de crianças dormindo com fome no Brasil. É possível erradicar a miséria e diminuir a pobreza, diminuindo a desigualdade social. É óbvio que nós temos que ter três pilares: aquilo que vamos fazer em caráter emergencial, aquilo que vamos fazer a medio prazo e aquilo que leva quatro, oito anos para ter resultado. A médio prazo, a saída para o Brasil é a Educação. O que se pode fazer em seis meses, de resultado mais imediato, é aprovar a tão sonhada reforma tributária. Essa reforma tributária, que é a mãe de todas as reformas, vai fazer com que a gente inverta [a situação]. Hoje, 10% da população, [o estrato] mais rico do Brasil, paga em média 12% de impostos indiretos, contra todo o restante da população, especialmente a mais pobre, miserável, que é tributada no consumo, e paga em torno de 26%. Então, a reforma tributária, por si só, já faria com que pudéssemos nos readequar. Se dividíssemos a população em dez faixas, nove pagariam menos impostos, por conta da diminuição do imposto sobre o consumo. E apenas a última faixa, portanto os 10% mais ricos, é que teria um aumento da carga tributária. Isso se chama justiça tributária, justiça social. Agora,  quem tem fome tem pressa. O Auxílio Brasil tem que ter porta de saída. Não podemos ficar vinte anos pagando para as mesmas famílias os mesmos valores. É preciso aumentar de 135 reais, na média por pessoa de cada família, para 200 reais, pelo menos, de acordo com a situação da família. Mas garantindo a ‘porta giratória’, a qualificação. É chamar a iniciativa privada, o sistema S, com Estados e Municípios, que serão beneficiários. Assim, será possível manter e incorporar mais gente nessa renda básica universal, que vai permanecer enquanto não se erradicar a miséria. Posso garantir: dinheiro tem!”

(Simone Tebet, candidata presidencial do MDB.)

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)