Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Quase dois terços dos eleitores aceitam privatizar a Petrobras

Venda da maior empresa do país tem apoio de 67%, segundo o Ipespe, desde que condicionada à redução dos preços dos combustíveis. Sinaliza o fim de uma era

Por José Casado Atualizado em 21 Maio 2022, 09h19 - Publicado em 21 Maio 2022, 08h00

Jair Bolsonaro conduziu a Petrobras a uma bem-sucedida tocaia política.

Mudou a direção três vezes e submeteu-a um ano de julgamento público, repassando a culpa pela própria imprevidência administrativa — a inflação dos combustíveis.

Em qualquer lugar do planeta seria bem-vinda uma empresa que no espaço de doze meses produzisse lucro de R$ 106 bilhões, pagasse R$ 203 bilhões em impostos e se comprometesse a investir outros R$ 192 bilhões nos próximos 48 meses.

No país governado por Bolsonaro, porém, ela é qualificada como “Petrobras Futebol Clube”, produtora de “lucros absurdos”.

Ele jamais mencionou o que o governo fez, e continua fazendo, com a parte que lhe cabe no lucro — R$ 40 bilhões do total de R$ 106 bilhões em 2021.

Em dimensão, é comparável ao prejuízo registrado em meados da década, quando a empresa quase foi à lona em decorrência de atos de má gerência e de corrupção, cujo histórico está registrado nos inquéritos da Operação Lava Jato.

Na origem do lucro está a valorização do preço internacional petróleo e do dólar, em relação ao real. O Brasil também ganha com isso, porque o desenvolvimento da exploração no pré-sal, a partir do governo Lula, transformou o país num dos dez maiores exportadores.

Bolsonaro nunca explicou, também, porque essa dinheirama repassada ao Tesouro Nacional jamais foi usada para mitigar os impactos domésticos da alta mundial de preços do óleo e derivados.

.
./VEJA

Há projeto no Congresso para criação de um fundo específico, mas foi desprezado pelo governo. Começou a tramitar em abril do ano passado, quando o petróleo estava em 60 dólares o barril. Com a guerra da Rússia na Ucrânia estacionou acima de 100 dólares. Ontem fechou  em 110 dólares.

Depois de um ano de intensa campanha pública contra a companhia controlada pela União, Bolsonaro já tem motivos para festejar.

Continua após a publicidade

O ardil funcionou: vender a Petrobras deixou de ser tabu político.

Agora é ideia aceita por quase dois terços (67%) do eleitorado, mostra o Ipespe em pesquisa realizada entre segunda (16) e quarta-feira (18).

Pragmáticos, os eleitores acossados por uma inflação de dois dígitos — alavancada pelo custo da energia e dos alimentos —, aceitam a privatização da maior empresa do país desde que resulte na redução dos preços cobrados pelo gás de cozinha, óleo diesel e gasolina.

Sem essa condicionante, o apoio é menor, mas significativo: 38% estão a favor da venda da Petrobras, contra a maioria de 49% que prefere mantê-la como está, sob controle do Estado e em parceria com mais de 700 mil sócios privados, nacionais e estrangeiros.

O resultado representa uma vitória inestimável para o governo. A ideia de vender a Petrobras divide, mas avança para a aprovação por ampla maioria sob uma circunstância específica.

É uma obra política, e Bolsonaro já deu sinal verde para um projeto de privatização, capitaneado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP).

O mais notável nessa manobra, porém, é como o governo atraiu e a oposição caiu na armadilha da desqualificação da Petrobras, dos lucros absurdos” e da “espoliação” do povo promovida pelos acionistas privados.

O adversário Lula, do PT, se diz contra privatizações de qualquer natureza, classifica as estatais como “estratégicas”, mas resolveu demonizar a Petrobras pelos preços dos combustíveis e os lucros “distribuídos em dividendos, sobretudo para os acionistas americanos, que têm muito interesse na Petrobras”.

Atravessou meses repetindo: “A Petrobras não é um patrimônio, não é uma empresa privada. A Petrobras não tem que pensar só em lucro, a Petrobras tem que pensar no bem-estar de 213 milhões de brasileiros, aqueles que estão no Sul, no Nordeste, no Sudeste, no Centro-Oeste. A Petrobras é de todos.”

Líderes nas pesquisas, Lula e Bolsonaro ajudaram a moldar uma nova imagem pública da Petrobras, oposta à do “patrimônio nacional”, de ícone do nacionalismo que embalou a direita e a esquerda na política brasileira nas últimas seis décadas.

O resultado está aí. Sinaliza o fim de uma era. Uns celebram, outros se preocupam.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)