Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Petróleo em alta limita planos de Bolsonaro e dos adversários

O cenário de crise é restritivo para ambições de campanha do candidato à reeleição, mas, também, condiciona, também, os projetos dos adversários.

Por José Casado Atualizado em 19 jan 2022, 04h02 - Publicado em 19 jan 2022, 08h00

O preço do petróleo aumentou mais de 50% durante o ano passado e continua em forte alta, no rumo dos 100 dólares por barril.

Ontem, o tipo mais consumido nos Estados Unidos (WTI) foi comercializado a 86,3 dólares por barril. Há um ano custava 31,8 dólares.

Significa novos aumentos nos preços da gasolina, do óleo diesel e do gás de cozinha, com reflexos diretos em todos os segmentos da economia.  sobre toda a economia.

Não é pouco para um país em pandemia e sob grave crise econômica, que convive com inflação em alta, sustenta uma das maiores taxas de juros do planeta e mantém cerca de 14 milhões de desempregados, além de outros 30 milhões na informalidade.

.
./VEJA

O eleitorado teve seu poder de compra corroído pela escalada inflacionária no ano passado. Nas famílias com renda mensal inferior a R$ 9 mil — ou seja, onde estão nove de cada dez eleitores — o impacto dos aumentos de preços superou a média nacional da inflação do ano (10,6%).

Energia e alimentos consumiram, proporcionalmente, mais recursos do orçamento das famílias mais pobres, informa o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), vinculado ao Ministério da Economia.

O cenário é restritivo para as ambições de campanha de Jair Bolsonaro, candidato à reeleição, cujo derretimento nas pesquisas decorre da inépcia na gestão da pandemia e do descontrole da inflação.

Mas condiciona, também, os projetos dos adversários. Especialmente de quem planeja um resgate da economia a partir da ampliação dos desequilíbrios nas contas públicas.

Alternativas de ampliação dos gastos com pessoal e investimentos públicos tendem a ficar ainda mais limitadas.

Continua após a publicidade

A persistência da alta nos preços do petróleo complica a vida de todos os candidatos à presidência.

Quem se eleger em outubro vai precisar negociar na Câmara e no Senado, provavelmente, muito além do que poderia imaginar três semanas atrás para administrar a crise a partir de 2023.

.
Ipea//VEJA

O tamanho da dificuldade política à frente pode ser aferido na pulverização do quadro partidário atual. Há 34 registrados na Justiça Eleitoral e 28 com bancadas.

O maior partido é o União Brasil (fusão do PSL e DEM) com 81 deputados federais. O trio que compõe o núcleo do Centrão (PL, PP e Republicanos) tem 115. Juntos, não alcançam 23% dos votos disponíveis no plenário da Câmara.

Na Câmara, o quórum básico (presença mínima) exigido para se iniciar a sessão de votação de um projeto de lei comum é de maioria absoluta, ou seja, 257 deputados presentes.

Para aprovar um projeto de lei complementar à Constituição são necessários, pelo menos, 257 votos favoráveis.

Já para fazer avançar uma proposta de emenda à Constituição há necessidade de 308 votos. Se aprovada, em dois turnos de votação, segue para o Senado, onde o teste vai ser repetido — mínimo para aprovação é de 49 votos dos 81 senadores.

Hoje, os partidos alinhados a Lula, favorito nas pesquisas, somam 101 votos (17% do plenário) na Câmara e 12 (15%) no Senado.

Ganhar a eleição presidencial é apenas o começo. Sem alianças não há governo viável. E vai ser mais difícil recorrer a “modelos” esdrúxulos de coalizão, como o atual baseado no aluguel de apoio parlamentar, com uso do orçamento, ou à margem dele, como ocorreu no Mensalão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês