Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Para privatizar uma, Bolsonaro cria a 204ª empresa estatal

É a segunda empresa nascida da caneta do presidente nos últimos nove meses. Vai herdar o que não for vendido na futura privatização da Eletrobras

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 13 set 2021, 09h00

O capitalismo de Estado no Brasil ameaça chegar à perfeição: para privatizar a Eletrobras, o governo vai criar  uma nova empresa estatal de energia.

Vem aí a Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBpar), vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

Será a segunda estatal nascida da caneta de Jair Bolsonaro nos últimos nove meses. A primeira surgiu em dezembro do ano passado, na estrutura do Ministério da Defesa. Estabelecida sem previsão de pessoal e orçamento, a NAV Brasil subtraiu a atividade controle de navegação aérea da Infraero, que também tem privatização prevista em data não sabida. Ano passado, o Tesouro injetou R$ 35 bilhões na Infraero.

A nova estatal, ENBpar, também não tem estrutura conhecida. Mas o decreto presidencial assinado ontem à noite indica que será herdeira daquilo que não for liquidado na futura — e ainda incerta — privatização da Eletrobras. Por lei, Eletronuclear e Itaipu Binacional estão fora desse novo ciclo estatização-privatização, iniciado há seis décadas.

Continua após a publicidade

Até ontem, o Estado era dono de 203 empresas públicas federais. A partir de hoje tem 204.

Sob o guarda-chuva da Eletrobras existem 69 subsidiárias, informa o governo. É o maior dos conglomerados estatais, seguido pela Petrobras (com 49), Banco do Brasil (26), Caixa (10) e BNDES (2).

O capitalismo estatal brasileiro chegou ao ano 21 do século XXI com aparência de sofisticação, o que não significa eficiência. O governo controla, por exemplo, sete empresas especializadas em pesquisa, gestão de projetos e contratos. E possui outras cinco focadas em processamento de informação e em comunicação.

Continua após a publicidade

O mapa da área de atuação das 204 empresas estatais conta uma história curiosa — a de um padrão de comportamento rentista na administração pública federal.

Nas últimas seis décadas, o Estado cristalizou um grande poder de influência em todas as frentes de negócios, revigorando-se no papel de super-banqueiro.

É dono de 33 empresas com peso específico no mercado financeiro.

Continua após a publicidade

Em contraste, mantém apenas três estatais dedicadas à prestação de serviços no Sistema Único de Saúde, única alternativa de socorro para sete de cada dez brasileiros.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.