Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Para aliados, Bolsonaro está cada vez mais distante e dissonante

O presidente cria crises para mostrar que ainda governa e o candidato à reeleição tenta demonstrar que ainda tem fôlego para subir nas pesquisas

Por José Casado Atualizado em 29 jun 2022, 12h57 - Publicado em 29 jun 2022, 08h00

Uma semana atrás, Jair Bolsonaro reivindicava a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito contra o próprio governo. Queria investigar a formação de preços e de salários na Petrobras.

Retirou a ideia de circulação, quando aliados o advertiram sobre a trapalhada — governo investigar o governo em plena temporada eleitoral é quase o mesmo que Bolsonaro ir às ruas pedir voto para os adversários.

Uma semana depois, o candidato à reeleição está empenhado em desmontar outra CPI, sobre desvios no Ministério da Educação, com o ex-ministro Milton Ribeiro acusado de deixar roubar. Bolsonaro correr contra o relógio, para garantir que a CPI não seja instalada no Senado, pelo menos antes da eleição.

No meio do caminho, surgiu outra crise. Ontem, o candidato à reeleição recebeu por dez minutos um dos seus militantes favoritos, Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal.

Não se sabe o que conversaram, mas será surpresa no Congresso se Guimarães continuar no governo. Ele está sendo investigado por assédio, moral e sexual, contra subordinadas no banco público, como relatou o repórter Rodrigo Rangel, do portal Metrópoles.

Num ambiente eleitoral contaminado pela crise econômica, onde a cesta básica de alimentos já consome mais da metade de um salário mínimo (R$ 1.212), o presidente cria crises para mostrar que ainda governa. E o candidato à reeleição tenta demonstrar que ainda tem fôlego para avançar nas pesquisas, é competitivo e possui perspectiva de continuidade no poder.

Os dois Bolsonaro, porém, parecem cada vez mais distantes aos olhos e dissonantes aos ouvidos dos aliados, à deriva numa realidade melancólica de fim de governo e estacionado nas pesquisas eleitorais a uma dúzia de semanas da eleição.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)