Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Opostos na política, Bolsonaro e Fernández se igualam na rejeição

Ambos têm mais de 50% de desaprovação nas pesquisas. Pode-se chamar isso de custo político de um desgoverno inflacionário

Por José Casado Atualizado em 6 jun 2022, 10h30 - Publicado em 5 jun 2022, 08h00

Ficou caro viver no Brasil de Jair Bolsonaro.

Há um ano os brasileiros convivem com uma inflação (12,1%). Ela é inédita na vida de uma geração de brasileiros que votam, pela primeira vez, em outubro.

A alta de preços no Brasil foi maior que a inflação na América Latina (9,7%), nos Estados Unidos (8,3%) e na Europa (8,1%) nesse período.

Os brasileiros já gastam dois terços do salário em consumo básico, o que deixa o país no topo da lista dos lugares mais caros para se viver, à frente do México, Chile, Argentina, Espanha e Estados Unidos, constatou Fernando Marull, sócio da FMyA, consultoria de análise econômica de Buenos Aires.

Nos últimos doze meses, a Argentina passou da alta inflação para o estágio de uma “superinflação” (projetada em 72,6% ao ano), que avança em velocidade seis vezes superior à brasileira. “O próximo passo é a ‘hiper’, mas ainda está distante”, acha Alfonso Prat-Gay, que já foi deputado, presidente do Banco Central e ministro da Economia.

O acelerado empobrecimento semeia desalento e empurra jovens argentinos à busca de alternativas no exterior. Nesse ambiente, o economista Marull resolveu verificar quais os países com melhor custo-benefício para os argentinos que planejam sair do seu país.

O resultado surpreendeu. O Brasil é o país mais caro na lista preferencial da imigração argentina. A base de cálculo é o salário médio bruto pago no mercado formal de trabalho e os preços básicos em cada país, convertidos em dólares da última quinzena (22 de maio).

Continua após a publicidade

No Brasil, o custo de vida consome 70% do salário (727 dólares, equivalentes a 3.365 reais). No México, 68%.

.
./VEJA

É muito mais barato viver no Chile (59%), na Espanha (33%) e nos Estados Unidos (20%). Para os argentinos, paradoxalmente, continuar no próprio país ainda é boa opção, apesar da superinflação local.

O custo relativamente menor (35%) em relação ao salário tem raízes no grande volume de subsídios estatais que mitiga uma parte do impacto da alta de preços de serviços públicos e de alguns bens de consumo, e, claro, resulta em mais inflação adiante. “Argentina está mais barata que o Brasil porque te presenteiam a [conta de] luz, pagas caro a roupa e não te matam em alimentos”, argumentou Marull numa rede social.

.
./VEJA

A situação econômica brasileira é incomparavelmente melhor que a argentina. Nos dois países, porém, a percepção coletiva de empobrecimento está impondo limites aos planos dos governantes.

Opostos na política, Jair Bolsonaro, candidato à reeleição, e o argentino peronista Alberto Fernández se equilibram na rejeição dos respectivos eleitorados. Ambos têm mais de 50% de desaprovação, na média das pesquisas — o repúdio supera em 20 pontos as taxas de aprovação. Pode-se chamar isso de custo político do desgoverno inflacionário.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)