Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

O silêncio dos candidatos sobre o desastre na Educação

O desastre pandêmico no ensino terá efeitos prolongados para a geração de estudantes que em breve vai entrar no mercado de trabalho

Por José Casado Atualizado em 22 Maio 2022, 03h57 - Publicado em 22 Maio 2022, 08h00

Vai levar tempo até se conseguir apurar a dimensão do desastre pandêmico na Educação.

Já se sabe que o impacto da pandemia foi muito significativo no ensino básico.

Duplicou a evasão escolar. Em 2020, primeiro ano da crise sanitária, 2,3% dos alunos matriculados no ensino médio abandonaram as salas de aula antes de terminar o ano letivo. Ano passado taxa subiu para 5%.

A fuga escolar foi mais intensa na região Norte, onde se registrou o dobro (10%) da média nacional.

As escolas públicas ficaram fechadas por 287,4 dias em média (cerca de nove meses e meio) e as escolas particulares por 247,7 dias (8 meses).

O período mais longo de fechamento ocorreu na Bahia (366,4 dias). Na sequência, Roraima (349,4 dias), Rio Grande do Norte (336,5 dias), Acre (332,7 dias) e Amapá (332,4 dias).

Essa contagem é do MEC, onde Jair Bolsonaro nomeou quatro ministros em 40 meses.

Os dois primeiros passaram o tempo preocupados com o espectro do “comunismo”, virtualmente sepultado há três décadas.

O terceiro tentou converter o ministério em templo, com a ajuda de pastores evangélicos metidos em obscuras transações.

O atual obteve, um socorro de US$ 250 milhões (R$ 1,2 bilhão) do Banco Mundial, a custo zero, para financiar um projeto emergencial nas regiões mais prejudicadas, Norte e Nordeste.

Continua após a publicidade

É paradoxal, porque o governo Bolsonaro realizou a proeza de reduzir os gastos federais durante dois anos de pandemia.

Em 2019, os gastos do governo na Educação somaram R$ 122,7 bilhões (já descontada a inflação).

No primeiro ano da pandemia caíram para R$ 114,9 bilhões.

No ano passado os cortes continuaram. As despesas ficaram limitadas a R$ 114,7 bilhões — constatou o Instituto de Estudos Socioeconômicos numa análise do Orçamento Geral da União (2021).

.
./VEJA

Não faltaram advertências, principalmente das comissões especializadas do Congresso, sobre o agravamento dos prejuízos para os estudantes da rede pública — pobres, na maioria.

Sobram indícios do desastre. Estão visíveis na mais recente avaliação feita pelo Ministério da Educação sobre a capacidade de 3,2 milhões de alunos do ensino médio, nas redes pública e privada, de dominar fundamentos de Português e de Matemática.

Só metade acertou o teste com questões elementares de língua portuguesa, entre elas a de interpretação que requer a percepção ou entendimento do sentido do que está descrito num texto.

Apenas 27 em cada 100 estudantes foram capazes de acertar as respostas para problemas elementares de cálculo matemático.

O desastre pandêmico na Educação terá efeitos prolongados para a geração de estudantes que em breve vai entrar no mercado de trabalho.

É uma crise silenciosa. Sua dimensão só é comparável ao silêncio que lhe dedicam os  candidatos à presidência.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)