Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

Maioria acha que auxílio de R$ 600 não influencia voto em Bolsonaro

Percepção é de decisão oportuna mas condicionada pelas eleições. A desconfiança tende a limitar ganhos políticos do candidato à reeleição

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 26 jul 2022, 08h26 - Publicado em 26 jul 2022, 06h00

Sete em cada dez eleitores apoiam a iniciativa do governo e do Congresso de aumentar para R$ 600 por mês, até dezembro, a ajuda financeira às famílias pobres.

Porém, seis em cada dez julgam que a ampliação do socorro estatal às vésperas das eleições terá pouca (11%) ou nenhuma (50%) influência na decisão de voto.

É o que mostra pesquisa divulgada ontem pelo Instituto FSB, feita por encomenda do banco BTG, a partir de duas mil entrevistas telefônicas realizadas entre sexta-feira e domingo. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

A percepção é de decisão oportuna mas com prazo de validade. Por ter sido condicionada às eleições, provoca desconfiança, o que tende a limitar os ganhos de quem seria o principal beneficiário político, o candidato à reeleição Jair Bolsonaro.

.
(./VEJA)

Aparentemente, ele entendeu o recado, traduzido nos resultados de outras pesquisas recebidas no Palácio do Planalto durante a semana passada. Na convenção do Partido Liberal, no domingo, se preocupou em dar ênfase à promessa de preservar o auxílio de R$ 600 mensais durante o próximo ano.

Continua após a publicidade

Foi o primeiro, e até agora único, compromisso assumido publicamente pelo candidato sobre o próximo mandato, caso seja reeleito.

Na essência, Bolsonaro demonstrou que, mesmo depois de 43 meses de governo, ainda não conseguiu organizar uma política social. Com certeza, não foi por escassez de motivos nesse período marcado pela estagnação econômica, pandemia, desemprego, inflação e queda abrupta na renda dos brasileiros.

É notória a aversão do candidato às ações estatais de assistência aos mais pobres. Quando era deputado federal, Bolsonaro costumava se referir como desdém aos programas sociais.

Num exemplo, chamava o Bolsa Família de “Bolsa Farinha”. Substituiu-o pelo Auxílio Brasil e, numa ironia da história, no domingo exaltou o investimento “15 vezes maior” em transferências de renda aos pobres do que o PT do adversário Lula conseguiu fazer durante três governos.

Já é da tradição política brasileira: vidas na pobreza importam em ano eleitoral. Tem sido assim nas últimas quatro décadas, informa o núcleo da Fundação Getulio Vargas especializado em pesquisas sociais.

Continua após a publicidade

Desde 1982, governo e Congresso usam os programas sociais como canal de transferência temporária de renda para a maioria pobre do eleitorado. Nos ciclos eleitorais o volume de subsídios estatais aumenta cerca de 22%, segunda a FGV Social.

.
(./VEJA)

Mudou apenas o método de ação. Até 1994, os governos lidavam com a alta inflação em períodos eleitorais lançando planos de estabilização econômica, para obter ondas expansionistas do consumo. A partir do advento do Plano Real, a opção preferencial tem sido pelos programas de transferência direta de renda.

Sendo justificáveis na emergência econômica, agravada pelos efeitos de um biênio de crise sanitária, os paliativos sociais confirmam a continuidade da intransigência do governo e do Congresso em avançar na direção de mudanças estruturais, que resultem em melhoria efetiva na distribuição de renda.

Uma boa notícia para o governo, captada na pesquisa FSB, é a previsão dos eleitores sobre a queda no ritmo da inflação nos próximos três meses. A taxa de pessimismo caiu muito nas últimas quatro semanas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.