Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Lula quer liquidar aliança PT-PDT no Ceará para conter o ímpeto de Ciro

O problema do candidato do PT está na lâmina que o adversário do PDT exibe na campanha. A confusão cearense indica que algo mudou, para Lula e seu partido

Por José Casado Atualizado em 5 nov 2021, 19h09 - Publicado em 2 nov 2021, 08h00

É grande a confusão no PT do Ceará. Está abalada uma das mais antigas alianças políticas regionais: depois de 15 anos compartilhando o poder no Estado, o PT de Lula e o PDT de Ciro Gomes resolveram discutir a relação. Em público.

O tom da discussão foi dado pelo secretário estadual de Desenvolvimento Agrário, Francisco de Assis Diniz, num evento do PT em Crateús: “Ao lado do [Jair] Bolsonaro tem uns patifes, como o senhor Ciro Ferreira Gomes, que não tem moral. O Ciro, na lama onde está, quer nos arrastar para dentro dessa lama. Ele não vai conseguir fazer isso, porque nós caminhamos para voltar a governar este país.”

Assis Diniz, um ex-sindicalista metalúrgico que ajudou a fundar a Central Única de Trabalhadores e presidiu o PT cearense, apenas reflete a posição de Lula, que está empenhado em levar o partido a romper a aliança com o PDT de Ciro Gomes.

Lula acha que o PT tem força suficiente para disputar o governo estadual com o PDT. Animou os deputados federais José Airton Cirilo e Luizianne Lins com a ideia de uma “chapa pura”.

Cirilo tentou se eleger governador por duas vezes (em 1998 e 2002), e perdeu.

Luizianne se elegeu prefeita de Fortaleza (2004) contra a vontade expressa de Lula do então chefe da Casa Civil, José Dirceu.

Às vésperas do primeiro turno, Dirceu foi a Fortaleza demonstrar “solidariedade” ao adversário de Lins, o candidato do PCdoB Inácio Arruda.

Esse evento entrou para a história do partido, porque terminou com a divulgação de uma carta pública do PT renegando a própria candidata. Ela venceu, ficou oito anos na prefeitura, tentou voltar (em 2016) mas estacionou no terceiro lugar, com 15% dos votos.

Os deputados Luizianne e Cirilo e o secretário estadual Assis Diniz racharam o PT cearense, atraídos pela ideia de compor uma chapa abençoada por Lula.

Continua após a publicidade

No lado oposto está outro deputado, José Guimarães, personagem-chave na coalizão comandada pelo petista Camilo Santana.

Na divisão do governo com o PDT, Guimarães ficou com boa parte das secretarias destinadas ao PT. Santana cumpre o segundo mandato e planeja se eleger na única vaga disponível para o Senado em 2022.

Ambos não querem rompimento. Ao contrário, até planejam fortalecer os laços com o PDT no Estado.

Para Lula, a longa aliança com o PDT cearense passou a ser um fator de incômodo. No Estado, ele detém folgada liderança, segundo pesquisas, com média de 20 pontos percentuais à frente de Bolsonaro e até 30 pontos na dianteira do ex-governador Ciro Gomes.

A alternativa, propôs, seria uma composição com o MDB de Eunício Oliveira, ex-presidente do Senado, cuja batalha particular com Ciro Gomes se espraia pelas páginas de quatro dezenas de processos judiciais. Eunício tem um plano de vôo autônomo para 2022: se eleger deputado e, em fevereiro de 2023, disputar a presidência da Câmara.

O problema de Lula está na lâmina retórica que Ciro Gomes exibe como peça de campanha, com a ajuda do publicitário João Santana, cuja biografia atravessa a intimidade dos quase treze anos do PT no poder.

O ex-governador do Ceará, quase diariamente, debita a eleição de Bolsonaro, em 2018, na conta da “corrupção do governo Lula” e da “incompetência do governo Dilma”, e “alerta para o risco que seria a reincidência no erro de Lula”.

Em outros tempos, o chefe do PT ordenaria e os petistas cearenses imediatamente obedeceriam. Romperiam a aliança em retaliação, para reduzir o ímpeto do adversário na luta pela presidência. Mas a confusão em Fortaleza indica que algo mudou, para Lula e seu partido.

A dificuldade de Lula, hoje, é que a maioria dos parlamentares petistas aprendeu a não depender da sua permanente candidatura presidencial para conseguir sobreviver nas urnas. E, no Ceará, muitos acham que ainda precisam da aliança com o PDT de Ciro Gomes para se manter no poder local, qualquer que seja o resultado da disputa nacional no próximo ano.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês