Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Itamaraty sobre a guerra: “Não estamos participando de maneira passiva”

Frase

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 Maio 2022, 08h30

“Há teóricos, como, por exemplo, o ex-chanceler Henry Kissinger e o professor [John] Mearsheimer, da Universidade de Chicago, que são claros ao indicar que foi irritante a expansão [da Otan] para uma eventual decisão russa de lançar o conflito. Se é dessa gravidade, eu tenho dúvida, mas, seguramente, é um fator.   [Em fevereiro, quando começou a invasão] eu falei com o assessor internacional do primeiro-ministro [húngaro] Viktor Orbán; falei com o presidente de Portugal; falei com chanceler da Turquia. E todos eles disseram para mim: ‘Para nós foi uma surpresa’. Para o Brasil também foi uma surpresa. E para a Alemanha também. O chefe de serviço secreto alemão estava em Kiev e precisou ser resgatado por um grupo de forças especiais da Alemanha, porque ele também não havia previsto o conflito. O conflito não pôde ser previsto. Aconteceu (…) A posição do Brasil, que foi a do presidente Bolsonaro, no primeiro momento, foi muito mais do que rejeitar um automatismo para qualquer dos lados, se manteve uma posição de equilíbrio em que nós analisássemos o interesse nacional. E, nesse sentido, eu acho que nós estamos ao lado de países que são chave, como, por exemplo, a Índia. Num recente diálogo que teve com o presidente Joe Biden nos Estados Unidos, o primeiro-ministro [Narendra] Modi, da Índia, deixou muito claro: ‘Nós não vamos aplicar sanções contra a Rússia. Eu preciso do comércio com a Rússia. Eu não vou deixar de comprar petróleo da Rússia’ — ainda que tenha, claro, condenado a ação militar no território da Ucrânia. Do mesmo modo, a Turquia, que é um grande país, cujo chanceler eu tive a honra de receber há poucas semanas. Ele nos disse: “Olha, nós temos uma visão do conflito. Nós não vamos deixar que aeronaves russas, por exemplo, se dirijam aqui por cima do nosso território.” Mas a Turquia teve uma posição de mediação. O primeiro encontro que houve entre os chanceleres da Rússia e Ucrânia foi em Antália, na Turquia, que realmente desempenhou um papel-chave (…) Recentemente, o primeiro -ministro [Mario] Draghi esteve nos Estados Unidos numa reunião com com o presidente Joe Biden, na qual ele disse aquilo que o Brasil tem dito: ‘Olha, qual é nossa prioridade? Não é dar ajuda militar. A prioridade é um cessar fogo imediato. Qual é a nossa prioridade? É buscar ainda uma solução justa e diplomática para o assunto’. Então, eu penso que essa também é a posição do Brasil (…) Eu não acho que estamos participando desse conflito de maneira passiva. Esteve aqui o chanceler da Turquia e mencionou um possível movimento do presidente da Turquia, [Recep Tayyip] Erdogan, de visitar o presidente [Vladimir] Putin com outros líderes. Ele mencionou o fato de que sabia que o presidente Bolsonaro tinha um contato estreito com o presidente Putin, por meio de uma visita recente. O presidente se ofereceu, se for desejo do presidente turco, a se unir a esses líderes para ir à Rússia e fazer os bons ofícios de mediação.”

(Carlos França, ministro das Relações Exteriores, ontem na Câmara.) 

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.