Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Falhas deixam vulnerável a infraestrutura que faz o país funcionar

Apenas seis servidores são responsáveis pela vigilância e proteção de 849 instalações vitais para energia, comunicações, transportes, finanças e água

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 16 Maio 2024, 08h00

O governo mantém apenas seis servidores na vigilância e proteção permanente de 849 infraestruturas de energia, telecomunicações, transportes, finanças e águas, entre outras, consideradas vitais ao funcionamento do país.

Quem descobriu foi o Tribunal de Contas da União depois de oito meses de investigação sobre a responsabilidade e a zeladoria do sistema de proteção de infraestruturas classificadas como essenciais à segurança nacional.

A auditoria começou em agosto do ano passado, depois de uma série de falhas no abastecimento de eletricidade. O apagão deixou 25 estados sem energia.

É antiga a preocupação com a montagem de uma engrenagem eficiente de proteção à infraestrutura física e digital que garante a normalidade no abastecimento de energia, nas barragens, em telecomunicações, no sistema financeiro, na produção de petróleo e distribuição de combustíveis, em laboratórios de pesquisa biológicas e unidades de defesa.

Continua após a publicidade

Governo e Congresso começaram a tomar decisões na área em 2006, depois dos ataques coordenados de uma facção do crime organizado (PCC) a várias instalações de serviços essenciais no Estado de São Paulo.

Levaram 12 anos na preparação de uma política específica para infraestruturas críticas. Ela surgiu em legislação editada em 2018. O apagão do ano passado fez o tribunal de contas analisar o sistema de proteção.

Os auditores encontraram uma situação de extrema vulnerabilidade, com organização precária e funcionamento caótico.

Continua após a publicidade

As debilidades começam no cadastro governamental das instalações classificadas como essenciais ao país: existem existem 849 registradas, porém o total está estimado em 1.100.

Toda essa infraestrutura crítica está entregue à vigilância de apenas servidores públicos numa seção do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

São três civis e três militares. Do trio civil, um funcionário já está aposentado. Os militares só permanecem três anos, no máximo, e são obrigados a retornar aos quartéis de origem.

Continua após a publicidade

Não há estrutura de gestão e prevalece um conflito burocrático com outros órgãos governamentais que dilui responsabilidades. Também não existe orçamento definido, nem dimensionamento em base realista dos custos necessários à vigilância e proteção da infraestrutura que mantém o país funcionando.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.