Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

EUA advertem governo Bolsonaro sobre ameaças às eleições

A preocupação de Washington com a estabilidade da democracia virou tópico relevante nas relações Brasil-Estados Unidos

Por José Casado Atualizado em 19 Maio 2022, 13h50 - Publicado em 19 Maio 2022, 08h00

Robert Menendez, 68 anos, filho de imigrantes cubanos e senador por Nova Jersey (EUA), é reconhecido em Washington como um “linha-dura” — contra líderes autocratas.

Preside o influente Comitê de Relações Exteriores do Senado americano há quase uma década, desde a saída de John Kerry, atual negociador de Joe Biden para o acordo climático.

Ontem, Menendez comandou a sabatina de Elizabeth Bagley, ex-assessora de Kerry no governo Obama, indicada por Biden para ser a embaixadora no Brasil. Foi direto:

— Deixe-me fazer uma pergunta sobre as tentativas do presidente Bolsonaro de minar a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro. Se você for confirmada [pelo Senado, como embaixadora], que medidas você tomaria para garantir e apoiar a integridade e os resultados das eleições no Brasil?

Bolsonaro tem dito muitas coisas, mas, basicamente, o Brasil tem sido uma democracia — ela respondeu. — Eles têm instituições democráticas, eles têm um sistema eleitoral democrático, eles têm um Judiciário independente, um Legislativo independente, eles têm liberdade de expressão e de reunião. Então, eles têm todas as instituições democráticas necessárias para ter uma eleição livre e justa. Já fiz vários monitoramentos eleitorais [no exterior], e eu sei que não vai ser um momento fácil por causa de vários comentários dele. Mas, subjacente a todos esses comentários, há uma base institucional real e acho que o que vamos continuar a fazer é mostrar nossa confiança e nossa expectativa de que eles terão uma eleição livre e justa, e estamos fazendo isso em todos os níveis.

Menendez remarcou: — Quando o líder de um país tenta minar — como experimentamos aqui nos Estados Unidos — a validade e a veracidade das eleições, ele mina o processo democrático naquele país. Então, eu espero que não tenhamos receio de desafiar isso no final do dia.

Esse diálogo contém, provavelmente, a melhor tradução da imagem de Jair Bolsonaro no Congresso e no governo dos Estados Unidos.

Nele estão resumidas, também, expectativas de parte da elite política de Washington sobre a resposta das instituições brasileiras, do governo Biden e do Partido Democrata, à eventual tentativa de tumulto do processo eleitoral.

Sobram advertências, diretas ou na linguagem cifrada da diplomacia, transmitidas até por canais inusuais, como a direção da agência de espionagem, CIA, ou o Departamento de Comércio.

Don Graves, secretário-adjunto de Comércio, repetiu a mensagem ontem em Brasília, introduzindo empresários nesse jogo político: “A comunidade de negócios também acredita que o Brasil terá eleições livres e justas e que a relação continuará firme como antes.”

Continua após a publicidade

A preocupação com a estabilidade  da democracia virou tópico relevante nas relações Brasil-Estados Unidos. Paradoxalmente, por causa de um governo que se diz liberal, cujo líder disputa a reeleição pelo Partido Liberal e tem apoio parlamentar de partidos auto-identificados como de centro-direita, agrupados no Congresso numa massa disforme apelidada de Centrão.

O flerte de Bolsonaro com o tumulto institucional, eventualmente protagonizado por “nós, as Forças Armadas e auxiliares” — como ele tem repetido —, tem ocupado boa parte da agenda dos funcionários americanos enviados a Brasília nos últimos dez meses, e concentrado a atenção dos serviços de informações no Rio, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife.

Quando o presidente do Comitê de relações Exteriores do Senado dos EUA fala em público sobre a expectativa “de que não tenhamos receio de desafiar”, caso se concretize o tumulto anunciado por Bolsonaro, parece fazer eco às posições da bancada democrata na Câmara.

Sete meses atrás, 63 deputados assinaram uma carta ao governo Biden sugerindo a suspensão ou revogação do acordo Bolsonaro-Trump que ampliou as possibilidades de acesso das Forças Armadas brasileiras ao empório tecnológico de guerra americano.

Justificaram: “Nós precisamos nos assegurar de que não estamos fortalecendo um Exército que, amanhã, pode romper com o processo democrático”.

Há 58 anos, Washington se movia em sentido oposto.

Pouco depois do meio-dia da terça-feira 31 de março, o comandante em chefe da Esquadra do Atlântico recebeu ordem de deslocar uma força-tarefa, com porta-aviões à frente, para a “área oceânica nas vizinhanças de Santos, Brasil”.

Revelado doze anos depois pelo jornalista Marcos Sá Correa, o plano havia sido autorizado pelo presidente democrata Lyndon Johnson, para dar apoio logístico à insurreição militar contra o governo “comunista” de João Goulart. A frota nem precisou a descer o Atlântico diante do êxito do golpe doméstico “pela democracia”.

Agora, a preocupação é com um governo de direita que insufla movimentos antidemocráticos.

Washington se move, com outra perspectiva.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)