Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Esqueceram dos pobres no orçamento do ano eleitoral

Saiu o primeiro orçamento de Bolsonaro em parceria com o Centrão. O resultado mostra que bom-senso é a mercadoria mais escassa em Brasília

Por José Casado Atualizado em 25 jan 2022, 05h06 - Publicado em 25 jan 2022, 08h00

Foi bom para o Centrão, é certo.

Se foi melhor para Jair Bolsonaro só vai ser possível saber depois de contados os votos, em outubro.

Fizeram o primeiro orçamento conjunto, num jogo combinado dentro do Congresso com os maiores partidos da oposição.

O resultado mostra que bom-senso é a mercadoria mais escassa em Brasília:

* Partidos e candidatos ganharam um aumento de 190% no fundo público de financiamento de campanha, que já era o maior do planeta;

* O salário mínimo ganhou reajuste de apenas 10,1%, e é a base da renda de 32 milhões de trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas;

* As verbas federais separadas no orçamento para atender partidos e candidatos nesta temporada eleitoral ultrapassam R$ 22 bilhões. É o orçamento paralelo, de rarefeita transparência, que foi mantido intocado.

* Desse total, R$ 16,5 bilhões levam o carimbo de “emendas parlamentares” — ou seja, serão usados de acordo com os interesses dos deputados e senadores que tentam a reeleição. Os bilhões restantes são para financiar as campanhas e azeitar a burocracia partidária.

O orçamento define prioridades no gasto de dinheiro público. Para fechar a conta, garantindo essa dinheirama aos partidos e candidatos — entre eles, o próprio Bolsonaro —, no fim de semana decidiu-se cortar mais despesas (R$ 3,1 bilhões) no serviço público.

Continua após a publicidade

Os mais atingidos foram os pobres, maioria no eleitorado. No INSS, por exemplo, perderam cerca de R$ 800 milhões numa decisão ironicamente divulgada no Dia do Aposentado.

Significa que vai aumentar a fila de pessoas com pagamentos atrasados na Previdência Social, pelo quarto ano seguido. Há dois milhões com pagamentos pendentes.

Metade dos atrasados corresponde a pagamentos no valor de um salário-mínimo (R$ 1.212,00).

É a renda básica de pessoas com mais de 65 anos, chefes de famílias pobres e em reconhecida situação de “vulnerabilidade social”, mulheres dependentes do salário-maternidade, e, também, portadores de deficiência permanente.

Os pobres perderam ainda mais, com a tesourada na Educação (R$ 800 milhões). Metade foi no Fundo Nacional de Desenvolvimento de Ensino, base do financiamento da educação.

-
Fonte: Câmara/Comissão Externa/Julho-2021/VEJA

Não é pouco num país que, sob pandemia, já havia reduzido em 72% os gastos com educação infantil e em 65% as despesas com transporte escolar.

O quadro educacional é dramático. Há 4,3 mil escolas públicas sem banheiro e 3 mil não têm acesso à rede de água. No último biênio, o tempo de aprendizado caiu cerca de 70% em comparação a um ano escolar típico, e quase um terço dos alunos simplesmente abandonou a  escola.

Vai levar algum tempo para que se tenha uma noção mais precisa das perdas e danos no primeiro orçamento feito por Bolsonaro em parceria com o Centrão, em discreta parceria com  maiores partidos de oposição. Têm até outubro para convencer os eleitores de que tudo vai melhorar, e os pobres terão vez no orçamento de 2023.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês