Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Empresários gaúchos mostram como a intolerância contaminou a campanha

Grupo de empresários e parlamentares gaúchos alinhados a Jair Bolsonaro impede palestra do presidente do Supremo, tratado como adversário político

Por José Casado Atualizado em 26 Maio 2022, 14h11 - Publicado em 26 Maio 2022, 08h07

Um grupo de industriais, comerciantes e parlamentares gaúchos alinhados a Jair Bolsonaro demonstrou ontem como a intolerância contaminou o ambiente político.

Eles conseguiram impedir uma visita do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, à cidade de Bento Gonçalves, conhecida pelas vinícolas, a duas horas de Porto Alegre.

Fux havia sido convidado pelo Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves para um jantar na sexta-feira 3 junho no hotel SPA do Vinho, com ingressos vendidos a R$ 200.

O cardápio previa, antes da sobremesa, uma palestra sobre um tema decisivo no processo de decisão empresarial — o risco e a segurança jurídica no Brasil.

Na tarde de segunda-feira, o grupo começou a organizar, por redes sociais, um boicote do evento em protesto contra o Judiciário, o Supremo e, sobretudo, contra Fux, porta-voz institucional na crise fomentada por Bolsonaro nos últimos três anos.

Evoluiu nas 48 horas seguintes com adesões públicas de alguns dos patrocinadores de eventos da associação empresarial.

Um deles, Roni Kussler, anunciou publicamente o veto ao evento com o presidente do Supremo, com retirada do patrocínio à entidade. Depois, apagou a publicação em rede social.

Desde os anos 90, Kussler se destaca na comunidade empresarial da serra gaúcha pelo arrojo na construção de uma marca de produtos de limpeza (Saif) na indústria da qual é sócio, a Mackerduz. Conseguiu triplicar as vendas no eixo Rio Grande do Sul-Santa Catarina durante a pandemia e, agora, tenta disputar com as multinacionais do setor uma fatia do mercado paulista.

Continua após a publicidade

.
Roni Kussler,da indústria Mackerduz: boicote ao presidente do STF — ./Reprodução

A financeira regional Sicredi Serrana também aderiu ao boicote. Numa carta à associação de empresários, divulgada pela colunista Rosane de Oliveira, da Zero Hora, esgrimiu com os “impactos na nossa marca” e ainda advertiu que estaria atenta a “movimentos similares no futuro”.

Sob pressão dos financiadores, a entidade de Bento Gonçalves resolveu retirar o convite. Alegou a impossibilidade de garantir a segurança de Fux na cidade — um disparate, porque, se necessário, todo chefe do Judiciário dispõe de serviço de segurança equivalente ao de presidente da República.

Diante do desastre político, a seção local da Ordem dos Advogados decidiu assumir o evento, custos incluídos. Rodrigo de Souza, presidente, escreveu uma nota pública: “A Democracia é feita pelo diálogo, a oportunidade de ouvir e ser ouvido, bem como de termos o representante máximo do Judiciário Nacional em Bento Gonçalves é um momento ímpar para nossa sociedade.”

“Independentemente de sentimentos e interesses políticos”- acrescentou. “Como já dizia Voltaire: “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”

Não deu. Fux cancelou a visita e a palestra. Parlamentares gaúchos aliados de Bolsonaro festejaram “a vitória” em discursos gravados no plenário da Câmara. A máquina governamental se encarregou da repercussão, reforçando o anúncio da presença do candidato presidencial na cidade no próximo dia 9, para abertura de uma feira de vinho.

Em 2018, Bolsonaro venceu a eleição no Rio Grande do Sul com 63% dos votos. Chegou a 81,5% em Bento Gonçalves.

O recorde estadual foi de 92,9% numa cidade próxima, Nova Pádua, que já havia dado 88,1% dos votos ao mineiro Aécio Neves (PSDB) na disputa com a gaúcha Dilma Rousseff (PT), em 2014.

A região sempre foi antipetista. No entanto, ontem, Beto Gonçalves sinalizou uma mudança de tom na campanha eleitoral, para privilégio à intolerância. Como escreveu o colunista Gerson Lenhard, do portal local Leouve, “o episódio diz mais sobre a cidade e o país do que sobre o ministro”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)