Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Eleitores culpam Bolsonaro pelo empobrecimento

Aumentou em janeiro o número dos que acham que perderam capacidade de pagar as próprias contas durante o último trimestre

Por José Casado Atualizado em 10 fev 2022, 04h37 - Publicado em 10 fev 2022, 08h00

O bolso delineia as intenções de voto da ampla maioria (75%) dos eleitores, mostram as pesquisas realizadas nos últimos oito meses.

Significa má notícia para o governo em fim de mandato, exposto à crítica de um eleitorado empobrecido na maior inflação (10,3%) em seis anos.

Efeito disso na vida real: o valor do salário mínimo (R$ 1.212,00) já não é suficiente para pagar a compra mensal de duas cestas básicas de alimentos na cidade de São Paulo. A capital paulista abriga nove milhões de pessoas com título de eleitor no bolso, mais que o eleitorado de 21 Estados.

A corrosão no bolso se reflete na deterioração do apoio ao governo. Em janeiro, a situação ficou ainda mais crítica para Jair Bolsonaro, candidato à reeleição.

É o que mostra pesquisa da Quaest/Genial divulgada ontem, com duas mil entrevistas pessoais realizada entre 3 e 6 de fevereiro.

Aumentou o número de eleitores que declara ter perdido a capacidade de pagar as próprias contas durante o último trimestre.

Essa percepção é generalizada entre os que possuem renda familiar de até cinco salários mínimos (R$ 6.060,00) por mês.

Eles constituem a ampla maioria (75%) dos eleitores. Somam 110 milhões de votos, entre os 147 milhões registrados na Justiça Eleitoral.

Continua após a publicidade

Os mais pobres acham que ficaram ainda mais empobrecidos. O sentimento declarado de perda de capacidade financeira avançou com mais vigor, de 60% dos entrevistados no início para 65% no final de janeiro, entre pessoas cuja renda mensal familiar vai até dois salários mínimos (R$ 2.424,00) por mês. Representam 53 milhões — 36% do eleitorado nacional.

.
Pesquisa Quaest/Genial, 3 a 6 de fevereiro de 2022/VEJA

Também cresceu, de 45% para 48%, no extrato com renda mensal familiar de mais de dois até cinco salários mínimos (R$ 2.425,00 a R$ R$ 6.060,00). Neles tem-se o retrato de 57,3 milhões, ou 39% do total de eleitores.

Juntos, compõem maioria decisiva na avaliação negativa (51%) do governo Bolsonaro, mais que o dobro da aprovação (22%) registrada na pesquisa. São determinantes, igualmente, na reprovação (53%) do desempenho dele na presidência (“está pior do que esperava”, indicaram).

.
Pesquisa Quaest/Genial, 3 a 6 de fevereiro de 2022/VEJA

A contrapartida é a transferência para os adversários do presidente-candidato das expectativas de resolução política dos principais problemas que identificam na vida dos brasileiros.

Até agora, o principal beneficiário é Lula. Ele não disputa uma eleição há década e meia, mas tem sido hábil em exaltar seu período no governo (2003 a 2010) como uma espécie de legado portador de um futuro promissor ao bolso do eleitorado.

Porém, o quadro geral ainda é gelatinoso: 48% dos consultados se dizem indecisos e, entre os que indicam preferência por algum candidato, 40% dizem que mudar é possível “caso algo aconteça”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)