Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

“China não vai sacrificar a Rússia, mas não quer morrer por ela”

Frase

Por José Casado Atualizado em 16 abr 2022, 16h58 - Publicado em 16 abr 2022, 21h00

“A China não vai sacrificar as relações com a Rússia, mas claramente não quer morrer por elas. Fez muitas declarações atestando isso (…) A China pode obter muito mais dos EUA do que da Rússia. E mais, de qualquer ponto de vista: do ponto de vista político, econômico, político-militar (…) O atrito entre a Rússia e o Ocidente é benéfico para a China, mas dentro de limites específicos. Agora o atrito se transformou em confronto, e a China absolutamente não quer isso. É solicitada a fazer alguma escolha, mas não pode fazer essa escolha. Este é o seu teatro (…) Também não espero uma interação séria [na economia, com a China substituindo o ocidente no setor financeiro]. Em primeiro lugar, a China é altamente dependente do dólar americano: este é um dos principais instrumentos da política econômica doméstica da China e sua regulação. Em segundo lugar, o yuan não é uma moeda conversível, então a China é criticamente dependente do volume de conversão de yuan para dólar no mercado internacional. Se permitir que a Rússia converta o que tem em yuan em dólares, então os EUA podem impor limites à China para converter yuan em dólares no mercado mundial. Para a China, seriam sanções terminais, nunca aceitará. De fato, os chineses já começaram a retirar lentamente alguns bancos da Rússia. O China International Infrastructure Investment Bank começou a se retirar, por exemplo, e outros bancos estão reduzindo seu envolvimento na Rússia. Tecnicamente, não é nada difícil para a China aderir às sanções nesta área. Como os bancos chineses são totalmente estatais, sob condições de taxa de juros ajustável, uma taxa de câmbio regulamentada do yuan, eles simplesmente não emprestam a bancos estrangeiros. Os bancos chineses não concederão empréstimos de varejo aos bancos russos. Se houver um aval político, talvez eles dêem alguma coisa, mas o aval será pequeno de qualquer forma (…) O que Xi Jinping precisa agora é de estabilidade absoluta este ano, porque economicamente tudo está difícil para eles devido à Covid, e eles têm relações econômicas complicadas com os Estados Unidos. E Xi não é um líder totalmente consensual dentro do país, ele tem séria oposição dentro da elite, isso foi especialmente notável no ano passado. No final do ano passado, eles fecharam um acordo que demitiu Xi. Em outras palavras, ele precisa especialmente de estabilidade, e não de uma situação internacional tão dramática que ele tenha que fazer algum tipo de escolha (…) Eu estudo a China há 27 anos, dez deles empiricamente, e com base em minha experiência ainda tenho a tendência de acreditar que a China desconhecia os planos de Putin. Quando tudo isso começou, os chineses realmente esperavam que tudo acabasse rapidamente. Mas quando assumiu sua forma atual, os chineses ficaram inequivocamente insatisfeitos. O colapso da Rússia significaria para eles a vitória do Ocidente. Mas a China também não pode apoiar a Rússia no que está fazendo agora. Não tem para onde ir.”

(Mikhail Karpov, professor e pesquisador da Escola de Estudos Asiáticos da Universidade de Estudos Econômicos de Moscou, a Irina Tumakova, da Novaya Gazeta.) 


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)