Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Chefe da CIA sobre alerta nuclear de Putin: “Não vimos muitas evidências”

Frase

Por José Casado Atualizado em 15 abr 2022, 00h20 - Publicado em 15 abr 2022, 00h21

“Embora tenhamos visto algumas posturas retóricas do Kremlin sobre a mudança para níveis mais altos de alerta nuclear, não vimos muitas evidências práticas até agora do tipo de desdobramentos ou, você sabe, arranjos militares que reforçariam essa preocupação. Mas observamos isso muito de perto. É uma das nossas responsabilidades mais importantes na CIA (…)  Não tenho dúvidas sobre a crueldade da dor e dos danos que [Vladimir] Putin pode continuar a infligir à Ucrânia, ou a brutalidade com que a força russa é aplicada. Os crimes em Bucha são horríveis. As cenas de devastação em Mariupol e Kharkiv lembram tristemente as imagens que vi em Grozny, na Chechênia, como um jovem diplomata no inverno de 1994-95: quarenta quarteirões no centro da cidade arrasados ​​por bombardeios e bombardeios russos, deixando milhares de mortes de civis (…) O apetite por risco [de Putin] cresceu à medida que seu controle sobre a Rússia se fortaleceu. Seu círculo de conselheiros encolheu, e nesse pequeno círculo nunca foi bom para sua carreira questionar seu julgamento ou sua crença teimosa, quase mística, de que seu destino é restaurar a esfera de influência da Rússia. Todos os dias, Putin prova que os poderes em declínio podem ser pelo menos tão perturbadores quanto os que estão em ascensão (…)  Parceira silenciosa na agressão de Putin, a China de Xi Jinping é nosso maior desafio. Em muitos aspectos, é o teste mais profundo que a CIA já enfrentou, o desafio geopolítico mais importante até onde posso ver no século XXI.”

(William J. Burns, diretor da CIA, ontem. Ex-embaixador dos Estados Unidos na Russia, ele é reconhecido como o diplomata do governo Joe Biden que mais frequentemente se relacionou com presidente russo Vladimir Putin. Foi a primeira manifestação pública de Burns sobre as ameaças da Rússia de uso do arsenal nuclear. Aconteceu durante um debate no Instituto de Tecnologia da Georgia com o ex-senador Sam Num, que no início dos anos 90 participou das negociações para eliminação das bases nucleares erguidas na Ucrânia no período da União Soviética.)

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)