Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

Bolsonaro e Putin: um acordo “sensível” sobre informações sigilosas

Prioridade brasileira era obter garantia formal de suprimento de fertilizantes, a preços estáveis, para futuras safras. Putin deixou Bolsonaro na promessa

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 17 fev 2022, 08h00

Jair Bolsonaro viajou 1,2 quilômetros para se reunir com Vladimir Putin em Moscou. Conversaram por quase duas horas. Entre outras coisas, sobre o sucesso das pequenas centrais nucleares russas que fornecem energia elétrica a cidades de até 200 mil habitantes, e sobre o  êxito brasileiro na tecnologia de levitação centrífuga para enriquecimento de urânio.

A prioridade de Bolsonaro em Moscou era obter de Putin uma garantia formal de suprimento de fertilizantes, a preços estáveis, para as futuras safras brasileiras.

Totalmente dependente de importações, principalmente da Rússia, o agronegócio está em xeque. O abastecimento ficou intermitente no ano passado e, agora, se tornou incerto com o conflito entre Rússia, Europa e Estados Unidos.

Putin deixou Bolsonaro na promessa. Além das fotografias de viagem, úteis à campanha eleitoral, sobrou um único papel assinado.

Coincidência ou não, no mesmo dia o vice-presidente russo Yuri Borisov estava em Caracas subscrevendo dezenas de compromissos militares com o ditador venezuelano Nicolás Maduro.

Continua após a publicidade

Em Moscou produziu-se um protocolo sobre troca de informações secretas entre o Palácio do Planalto e o Kremlin.

Criou-se uma cobertura jurídica para cooperação entre os serviços estatais de espionagem do Brasil e da Rússia. “Assunto sensível, reservado”, definiu Bolsonaro.

Assinaram o documento o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Augusto Heleno, e o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev. Por ironia, ambos atravessaram a vida militar em lados opostos, no mesmo campo de batalha.

Em 1977, por exemplo, o brasileiro era capitão. Como ajudante de ordens no gabinete do ministro do Exército, Sylvio Frota, participou de uma conspirata para derrubar o general-presidente da época, Ernesto Geisel, e perpetuar a ditadura — sempre em nome do “combate ao comunismo”.

Continua após a publicidade

Deu errado. Geisel defenestrou Frota e desenhou o epílogo do regime, impondo a volta dos militares aos quartéis. Heleno foi parar na academia de Resende (RJ), onde acabou instrutor de Bolsonaro. Encontraram no anticomunismo um meio de vida na política.

A União Soviética sobrevivia há seis décadas quando Petrushev se tornou oficial graduado da espionagem na seção de Leningrado (hoje São Petersburgo), onde trabalhava Putin. Amigos, ascenderam juntos na agência KGB e na sucessora FSB.

Em 1999, quando Putin virou primeiro-ministro, o general Petrushev o sucedeu no comando da FSB. Na presidência, Putin o levou para o Conselho de Segurança. Estão há mais de duas décadas no Kremlin.

Heleno gastou quase toda a vida numa guerra imaginária contra a ameaça comunista no Brasil. Do outro lado do planeta, Petrushev combatia nas sombras a ameaça capitalista.

Continua após a publicidade

Ontem, em Moscou, assinaram um acordo para troca de informações sigilosas com o mesmo objetivo: a lutar contra adversários — nacionais ou estrangeiros — das estruturas de poder a que servem, e desfrutam, sob a bandeira da democracia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.