Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Bolsonaro e Putin: um acordo “sensível” sobre informações sigilosas

Prioridade brasileira era obter garantia formal de suprimento de fertilizantes, a preços estáveis, para futuras safras. Putin deixou Bolsonaro na promessa

Por José Casado Atualizado em 17 fev 2022, 04h26 - Publicado em 17 fev 2022, 08h00

Jair Bolsonaro viajou 1,2 quilômetros para se reunir com Vladimir Putin em Moscou. Conversaram por quase duas horas. Entre outras coisas, sobre o sucesso das pequenas centrais nucleares russas que fornecem energia elétrica a cidades de até 200 mil habitantes, e sobre o  êxito brasileiro na tecnologia de levitação centrífuga para enriquecimento de urânio.

A prioridade de Bolsonaro em Moscou era obter de Putin uma garantia formal de suprimento de fertilizantes, a preços estáveis, para as futuras safras brasileiras.

Totalmente dependente de importações, principalmente da Rússia, o agronegócio está em xeque. O abastecimento ficou intermitente no ano passado e, agora, se tornou incerto com o conflito entre Rússia, Europa e Estados Unidos.

Putin deixou Bolsonaro na promessa. Além das fotografias de viagem, úteis à campanha eleitoral, sobrou um único papel assinado.

Coincidência ou não, no mesmo dia o vice-presidente russo Yuri Borisov estava em Caracas subscrevendo dezenas de compromissos militares com o ditador venezuelano Nicolás Maduro.

Em Moscou produziu-se um protocolo sobre troca de informações secretas entre o Palácio do Planalto e o Kremlin.

Criou-se uma cobertura jurídica para cooperação entre os serviços estatais de espionagem do Brasil e da Rússia. “Assunto sensível, reservado”, definiu Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Assinaram o documento o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Augusto Heleno, e o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev. Por ironia, ambos atravessaram a vida militar em lados opostos, no mesmo campo de batalha.

Em 1977, por exemplo, o brasileiro era capitão. Como ajudante de ordens no gabinete do ministro do Exército, Sylvio Frota, participou de uma conspirata para derrubar o general-presidente da época, Ernesto Geisel, e perpetuar a ditadura — sempre em nome do “combate ao comunismo”.

Deu errado. Geisel defenestrou Frota e desenhou o epílogo do regime, impondo a volta dos militares aos quartéis. Heleno foi parar na academia de Resende (RJ), onde acabou instrutor de Bolsonaro. Encontraram no anticomunismo um meio de vida na política.

A União Soviética sobrevivia há seis décadas quando Petrushev se tornou oficial graduado da espionagem na seção de Leningrado (hoje São Petersburgo), onde trabalhava Putin. Amigos, ascenderam juntos na agência KGB e na sucessora FSB.

Em 1999, quando Putin virou primeiro-ministro, o general Petrushev o sucedeu no comando da FSB. Na presidência, Putin o levou para o Conselho de Segurança. Estão há mais de duas décadas no Kremlin.

Heleno gastou quase toda a vida numa guerra imaginária contra a ameaça comunista no Brasil. Do outro lado do planeta, Petrushev combatia nas sombras a ameaça capitalista.

Ontem, em Moscou, assinaram um acordo para troca de informações sigilosas com o mesmo objetivo: a lutar contra adversários — nacionais ou estrangeiros — das estruturas de poder a que servem, e desfrutam, sob a bandeira da democracia.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)