Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Autofagia na esquerda derruba chefe da Economia e amplia a crise argentina

Ministro da Economia foi abatido numa luta dentro do governo peronista sobre a gestão da dívida interna e concessões a grupos financeiros

Por José Casado Atualizado em 3 jul 2022, 00h51 - Publicado em 3 jul 2022, 00h50

Juan Domingo Perón foi um caudilho que, em três governos, moldou a modernidade argentina na segunda metade do século passado. Na sexta-feira,  a coalizão de esquerda herdeira de Perón celebrou a memória do líder, morto há 48 anos. Na noite de sábado, essa aliança peronista que governa a Argentina exibiu uma das suas principais características: a autofagia.

O ministro da Economia Martín Guzmán renunciou em meio ao confronto entre a líder  mais influente do peronismo, a ex-presidente Cristina Kirchner, e o presidente Alberto Fernández.

Guzmán, 39 anos, economista, integra uma ala de renovação do peronismo em permanente confronto com outro agrupamento de jovens ativistas, o movimento La Cámpora que é liderado por Máximo, filho dos ex-presidentes Cristina e o falecido Néstor Kirchner.

Esse embate dentro do governo Fernández vai além da fronteira do método de fazer política. Reflete uma grande disputa de interesses no manejo das dívidas interna e externa do país, o  que contribuiu para agravar a devastadora crise social e o derretimento da moeda argentina.

Ministro da Economia foi abatido numa luta dentro do governo peronista sobre a gestão da dívida interna e concessões a grupos financeiros, alguns detentores de títulos públicos em pesos e aliados ao clã Kirchner e ao movimento La Cámpora.

Numa extensa carta-renúncia, Guzmán escreveu a Fernández: “Nosso objetivo era tranquilizar a economia. Esse conceito pode não gerar muito entusiasmo para alguns, mas sempre me pareceu — e me parece — que tranquilizar a economia seria um verdadeiro [projeto político] épico.” Também sugeriu: “Será essencial que se trabalhe em um acordo político dentro da coalizão governante para que quem vier a me substituir.”

O ministro cansou. A troca de guarda na Economia ocorrerá no início da semana. Sobram candidatos, mas os nomes pouco importam na crise não resolvida entre o presidente Fernández e a vice Cristina Kirhner. O peronismo avança na autofagia. E não há nada no horizonte sugerindo melhoria das condições sociais e econômicas da ampla maioria empobrecida dos 45 milhões de argentinos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)