Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Aumenta a reprovação dos eleitores ao Congresso

Avaliação negativa do Congresso piorou quando parlamentares aumentaram o fundo eleitoral em 190% e limitaram o reajuste do salário mínimo em 10%

Por José Casado Atualizado em 12 fev 2022, 03h14 - Publicado em 12 fev 2022, 08h00

Má notícia para os 540 deputados federais e senadores que planejam disputar a eleição em outubro: o eleitorado está mais crítico ao desempenho dos que integram o Congresso.

A rejeição ao trabalho dos parlamentares mudou de patamar há 14 meses, aumentou oito pontos percentuais e continua em alta.

Em janeiro do ano passado, 40% dos eleitores reprovavam a atuação do Congresso. Agora são 48%, constatou o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) ao realizar mil entrevistas telefônicas entre segunda (7) e quarta-feira (9).

A avaliação do Legislativo em 2021 foi a mais negativa dos últimos três anos, ou seja, desde a posse dos atuais deputados e senadores.

.
Ipespe, fevereiro de 2022/VEJA

Piorou a partir de dezembro, quando aumentaram o fundo eleitoral em 190% (para R$ 4,9 bilhões) e limitaram o reajuste do salário mínimo em 10% (para R$ 1.212,00).

Continua após a publicidade

Curiosamente, foi um ano em que legislou-se muito, e em ritmo veloz. Deputados e senadores aprovaram um total de 759 proposições, entre projetos de lei, medidas provisórias e emendas constitucionais.

O Senado produziu 401 decisões legislativas de caráter terminativo, e a Câmara aprovou 358. No conjunto, o Congresso funcionou como uma usina de leis à plena carga, com produtividade média de quase quatro novos projetos por dia útil de trabalho dos deputados e senadores — considerando-se quatro dias de votações por semana.

Sobrou quantidade e faltou qualidade, no olhar crítico do eleitorado, acossado por uma grave crise econômica em meio à emergência pandêmica: 96% reclamam do aumento do custo de vida.

É notável que, mesmo num cenário de inépcia governamental e de avanço dos privilégios autoconcedidos pela elite política, tenha ocorrido um aumento da aposta coletiva na democracia.

.

Cresceu a preferência (67%) pelo regime democrático a qualquer outra forma de governo. Em outubro de 2018, quando Jair Bolsonaro se elegeu a bordo de um projeto autoritário de governo, a confiança era menor (56%).

Mas permanece praticamente intacta (51%) a insatisfação com os resultados apresentados pelo governo, Legislativo e Judiciário.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)