Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Jorge Pontes Jorge Pontes foi delegado da Polícia Federal e é formado pela FBI National Academy. Foi membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon, França, e é co-autor do livro Crime.Gov - Quando Corrupção e Governo se Misturam.

Polícia Federal em vertigem

PF vive o apogeu da era dos delegados abduzidos pela política

Por Jorge Pontes 11 Maio 2022, 12h23

A Polícia Federal atravessa uma crise pública sem precedentes no governo Bolsonaro. E isso é uma realidade que não pode ser mais disfarçada

Depois de termos testemunhado a passagem de cinco diretores-gerais num lapso de menos de quatro anos, vemos agora um caso de ingerência política escancarada, para não dizermos desavergonhada.

A direção-geral da PF resolveu mudar o comando de sua unidade em Alagoas, uma unidade da federação onde o fisiologismo politico historicamente impera. Pois bem, após a indicação formal do delegado Marcelo Werner para substituir o atual superintendente Sandro Valle, uma reviravolta operada pela intervenção do ministro da Justiça Anderson Torres impediu a mudança de chefia.

Ontem, 10 de maio, dez delegados da PF lotados em Alagoas firmaram um documento inédito na história do órgão, onde cobram explicações à direção do órgão sobre o titubeio administrativo, explicitam abertamente a quebra de confiança no atual superintendente e ainda colocam seus cargos de chefia à disposição.

E houve quem comemorasse quando Anderson Torres assumiu o Ministério da Justiça, por termos ali, na “nossa pasta”, pela primeira vez, um delegado da PF. Ledo engano, na verdade a leitura deveria ter sido outra: o que tínhamos antes era um político dentro da Polícia Federal.

Quem acompanha a PF sabe que estamos vivendo o apogeu da era dos delegados abduzidos pela política, os chamados “delegados pet”. E esperamos que a ficha caia na corporação, e que os próprios quadros da PF, os profissionais de polícia, reajam a essa triste realidade.

Continua após a publicidade

Conversando com meu colega e amigo Rosalvo Franco, que foi titular da Superintendência da PF em Curitiba, durante quase todo o curso da Operação Lava Jato, soube que ele nunca foi – e nem se sentiu – acossado pela direção-geral do órgão, na época ocupada por Leandro Daiello. O delegado Daiello por sua vez resistiu, equilibrando-se no fio da navalha, entre fazer o que era certo e se manter minimamente leal ao ministro José Eduardo Cardozo. A bem da verdade, Cardozo igualmente se conteve. O que aconteceu depois todos sabem. A Lava Jato correu, e minou o próprio governo que nomeara Daiello, sendo capital para a derrocada da presidente Dilma Rousseff.

Leandro foi um equilibrista que sabia que a história iria julgá-lo no futuro. Blindou como pôde a equipe de Curitiba. Foi discreto e nunca comemorou as prisões dos poderosos, porque aí poderia ser visto como que tripudiando sobre sua linha hierárquica.

É triste reconhecer que o governo Bolsonaro, eleito na onda e por força da Lava Jato, que por sua vez foi produto do trabalho da própria Polícia Federal, está fazendo de tudo para interferir e neutralizar a Polícia Federal, justamente no que ela tem de melhor a entregar para a nossa sociedade, os inquéritos e investigações sobre esquemas de corrupção pilotados por poderosos.

Os governos do PT promoveram esquemas de corrupção históricos, como Mensalão e Petrolão, mas não conseguiram – e nem sequer chegaram perto de tentar – emascular a Polícia Federal como o governo Bolsonaro está fazendo.

Estamos assistindo a um ataque desassombrado às instituições, que ocorre à luz do dia. E isso é terrível para a democracia e para a Justiça desse país.

Que os agentes, peritos e delegados da PF não capitulem pelo caminho, pois o amanhã há de chegar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês