Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Jorge Pontes

Jorge Pontes foi delegado da Polícia Federal e é formado pela FBI National Academy. Foi membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon, França, e é co-autor do livro Crime.Gov - Quando Corrupção e Governo se Misturam.
Continua após publicidade

Nada a comemorar – por aqui – no Dia Mundial do Meio Ambiente

A recente - e ainda atual - tragédia ambiental do Rio Grande do Sul não nos permite baixar a guarda por um segundo sequer

Por Jorge Pontes
3 jun 2024, 15h21

Com a proximidade do 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, percebemos que há muito mais a alertar, avisar, advertir e despertar, do que propriamente a comemorar nessa data tão significativa para a humanidade.

A recente – e ainda atual – tragédia ambiental do Rio Grande do Sul não nos permite baixar a guarda por um segundo sequer. Os gaúchos já enfrentam um “dia-seguinte” que certamente durará alguns anos…

E o desastre que atingiu o Sul não foi apenas ambiental, mas teve raízes sociais e, sobretudo, culturais. Nosso povo e, consequentemente, a nossa classe política, têm uma enorme dificuldade para absorver a real gravidade das ameaças climáticas. O momento atual, de profunda polarização, atrapalha ainda mais o que já era complicado, pois o campo ideológico da extrema direita – negacionista de nascença – enxerga as urgências ambientais como mais uma teoria da conspiração dos “globalistas” (sic).

Aqueles que se baseiam em pesquisas científicas, em estatísticas e em experiências sabem que não há hoje desafio maior para o ser humano que não seja o da manutenção do equilíbrio ambiental com a sustentabilidade das atividades econômicas em nosso planeta. Está em jogo o futuro da humanidade e da própria vida na Terra – da forma como a conhecemos, com sua encantadora e vital diversidade.

A prova do total anacronismo das nossas elites é a existência, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, do que se convencionou chamar de PEC das Praias. Trata-se de um projeto de emenda constitucional que prevê a transferência da posse de terrenos de marinha da União para estados, municípios e também para partes privadas. Segundo biólogos do Ministério do Meio Ambiente, a iniciativa (cuja relatoria foi do senador Flávio Bolsonaro), tem tudo para alavancar o uso irregular desses espaços e expandir ainda mais os danos ambientais já existentes.

Continua após a publicidade

Não é muito difícil imaginar a força dos lobbies por detrás dessa proposta, que certamente abrirá espaço para a privatização das praias, favorecendo uma exploração imobiliária sem grandes preocupações com impactos ambientais.

A bem da verdade, tal projeto não deveria ter sequer sido cogitado. Nada mais fora de hora e de lugar do que aprovar novas regras de ocupação em áreas litorâneas, em período de mudanças climáticas que terão, como uma de suas principais consequências, a elevação do nível dos oceanos.

É desesperador observarmos representantes do povo, no Congresso Nacional, demonstrando total insensibilidade com a integridade ecológica e com o bem estar e o futuro das gerações vindouras. Lamentável a cegueira e o imediatismo da grande maioria da nossa classe política.

Infelizmente essa ausência de engajamento no enfrentamento às ameaças ambientais não é exclusividade nossa. A forma letárgica como a maioria das nações, grosso modo, vêm reagindo na tomada de medidas eficazes e decisivas para a contenção desses processos de mudanças climáticas nos mostra, além de uma incapacidade do homem em agir transcendendo a sua própria existência, a desoladora inexistência de verdadeiros estadistas no mundo de hoje.

Continua após a publicidade

Falta hoje um estadista com a estatura e a determinação de um Winston Churchill, para a causa ambiental… e com um discurso histórico atualizado, que, como o do primeiro ministro britânico, em 1940, na House of Commons, idealizou e empurrou o mundo para enfrentar a grande ameaça de seu tempo:

“… we will protect our beaches, our oceans and our forests, we shall defend our Planet whatever the cost may be…”

E é bom saber que nenhuma conta será mais alta do que aquela a ser paga por quem decidiu economizar na salvaguarda do Meio Ambiente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.