Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
O jardineiro casual Por Marcelo Marthe Ideias práticas e reflexões culturais sobre jardinagem, paisagismo e botânica

Quaresmeira, a árvore que entrega a real natureza de São Paulo

Sua floração espetacular nas ruas da cidade é um bom pretexto para se investigar: de onde vem esse nome? E o que ela ensina sobre o passado paulistano?

Por Marcelo Marthe Atualizado em 30 jul 2020, 21h02 - Publicado em 14 fev 2017, 15h31

Ela já era figurinha fácil no pedaço muito antes de São Paulo virar a cidade daqueles atributos que todo mundo está cansado de saber – carros, concreto, a Pauliceia Desvairada dos modernistas. A quaresmeira não deve ser vista meramente como uma árvore simpática: ela é um testemunho botânico vivo sobre a verdadeira natureza paulistana. Quando os jesuítas chegaram por aqui, lá no século XVI, encontraram campinas, rios, manchas de cerrado. Mas o que dava tom à paisagem, não há dúvida, era a vegetação típica da Mata Atlântica do alto da serra – São Paulo, afinal, está geograficamente encravada na borda da Serra do Mar. O que explica, aliás, outro atributo óbvio que tem tudo a ver com as quaresmeiras: a garoa. Por vir da mata úmida de altitude, essa árvore de pequeno porte – bem como seu parente próximo, o manacá-da-serra – adora uma garoazinha bem paulistana.

Quaresmeira-roxa.
Quaresmeira-roxa. Silvestre P. Silva/VEJA

Mas deixemos de história para ir ao que interessa: as quaresmeiras de São Paulo estão bombando. Pelas ruas da cidade, é impossível não notar a explosão de tons de roxo e rosa proporcionada pela espécie. Quaresmeira é muito carne-de-vaca? Bem, e daí? Elas são daqui e nunca, jamais serão demais na nossa paisagem: recomendo vivamente que a quaresmeira seja levada em consideração se você tiver de plantar uma árvore na frente de sua casa ou em seu jardim.

Quaresmeira, na Praça das Fontes.
Quaresmeira roxa Manoel Claudio da Silva Jr/VEJA

Além de ser uma planta nativa, a Tibouchina granulosa – nome científico tanto da variedade roxa quanto da rosa – exibe a vantagem de ser extremamente rústica. Tudo o que ela precisa é de boa insolação, regas regulares no início do cultivo e alguma atenção em relação a pragas como os cupins. Se você quer turbinar sua quaresmeira, tente adubá-la de vez em quando com NPK 10-10-10 (a combinação básica de nitrogênio, fósforo e potássio). No mais, como sabe qualquer pessoa que já desceu de carro para o litoral, vale também investir no manacá-da-serra – cujas flores mesclam tons de lilás e branco. O manacá, ou Tibouchina mutabilis, é opção mais adequada para varandas de apartamento, pois sua variedade anã se adapta muito bem a vasos. Mas atenção: um tanto de luz solar direta será sempre obrigatório.

E de onde vem esse nome meio solene e religioso, quaresmeira? Basta atentar para o calendário e você vai entender sua lógica: a árvore costuma iniciar seu principal período de floração às vésperas do Carnaval – ou seja: ela anuncia a chegada da quaresma. Normalmente, continua coberta de flores até a Páscoa. Há quem suspeite que as quaresmeiras estejam meio enlouquecidas, e florescendo, a cada ano, com mais antecedência. Desconheço, entretanto, qualquer estudo sério que confirme ou estabeleça uma causa para isso. Na dúvida, fico com a explicação biológica mais plausível para essas variações: em anos com chuva mais uniforme, como tem sido o caso deste verão, as quaresmeiras tendem a florescer mais cedo e com vigor notável. Que a cidade permaneça roxa e rosa até a Páscoa, amém.

Manacá-da-serra
Manacá-da-serra Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)