Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Indicado ao Oscar, ‘Belfast’ revê infância na Irlanda em conflito

Diretor Kenneth Branagh relembra como a explosão social fez sua vida virar de cabeça para baixo

Por Isabela Boscov Atualizado em 11 mar 2022, 10h33 - Publicado em 11 mar 2022, 06h00

Buddy (Jude Hill), 9 anos, brinca de luta de espadas com a garotada, no meio da rua, quando um bando feroz se aproxima: está-se no verão de 1969 e a turbulência que há quase um ano agita a Irlanda do Norte vem explodindo na forma de guerra urbana. Na rua de Buddy, como em tantas outras, católicos e protestantes conviveram sempre sem ligar para quem é o quê, mas agora a turba quer depredar e queimar as casas dos vizinhos católicos. Checkpoints erguidos com entulho e arame farpado surgem nas esquinas; valentões se autopromovem a chefes de milícia e intimidam outros protestantes a se declararem inimigos dos católicos. O pai de Buddy (Jamie Dornan) quer levar a família para a Inglaterra, onde já passa longos períodos trabalhando na construção civil, porque prevê que as coisas irão de mal a pior. A mulher dele (Caitríona Balfe) se agarra à esperança e quer ficar: essa rua, esse bairro e essa cidade são tudo o que ela conhece e o lugar em que sempre se sentiu segura e querida.

RETORNO - Branagh dirige Hill: o incompreensível visto pelos olhos da infância -
RETORNO - Branagh dirige Hill: o incompreensível visto pelos olhos da infância – Rob Youngson/Focus Features/.

A inspiração para o Belfast (Reino Unido, 2021) de Kenneth Branagh, em cartaz nos cinemas, é autobiográfica — uma memorialização de como, nessa mesma idade, ele viu sua vida ser virada de cabeça para baixo. É, também, uma reflexão sobre como, ainda que se imagine o pior, é com perplexidade que se vê ele acontecer. Buddy, naturalmente, não consegue atinar com o cisma violento que está partindo seu mundo ao meio. Mas também seus pais e seus avós (Judi Dench e Ciáran Hinds) olham incrédulos para o quebra-quebra, a pancadaria, os coquetéis molotov e a atmosfera de perigo que paira sobre Belfast: como se chegou a esse ponto, e tão rápido?

Milkman

Não faria mal, aliás, que o filme explicasse um pouco melhor à plateia por que razões o conflito escalou de tal forma no fim dos anos 1960. Um resumo breve: depois de séculos de hostilidades, em 1921 a Irlanda majoritariamente católica se libertou do controle britânico e protestante, mas ao custo de se dividir em duas. Na sua porção do Norte, integrada ao Reino Unido, a minoria católica passou a enfrentar níveis debilitantes de discriminação no emprego e na habitação até que, inspirada no movimento americano pelos direitos civis, organizou-se em reivindicações às quais os lealistas protestantes reagiram com truculência crescente. Em agosto de 1969, o barril de pólvora explodiu. Em questão de dias, o governo norte-irlandês perdeu o controle da situação e apelou aos soldados britânicos para manter a paz, ao que se seguiram três décadas de ocupação militar, confrontos, guerrilha e terror.

Continua após a publicidade

Oscar Belfast

Making Sense of the Troubles: The Story of the Conflict in Northern Ireland

Compreende-se que Branagh apenas tangencie as questões políticas e opte por se concentrar no drama de seu pequeno núcleo central; pela origem protestante, sua família não é, para efeitos históricos, a parte injustiçada, e qualquer dissecção do conflito poderia ser tomada como prepotência. Sua delicadeza, entretanto, acaba por ser excessiva: repartindo o ponto de vista entre Buddy e cada um dos quatro adultos, ele dá aos atores bons momentos (excelentes, Dornan e Hinds tiram leite de pedra em papéis minimamente estruturados), mas impede que uma espinha dorsal clara se forme. Até o preto e branco primoroso do diretor de fotografia Haris Zambarloukos paradoxalmente acaba por contribuir para o sabor algo genérico do conjunto. Não fosse a força de Caitríona Balfe como a mãe, Belfast talvez não se sustentasse — mas, em uma manifestação das suas predisposições errá­ticas, é justamente Caitríona, claro, que a Academia escolheu deixar de fora das indicações do Oscar.

Publicado em VEJA de 16 de março de 2022, edição nº 2780

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Milkman
Milkman
Making Sense of the Troubles: The Story of the Conflict in Northern Ireland
Making Sense of the Troubles: The Story of the Conflict in Northern Ireland

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)