Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

George MacKay: “Eu sentia euforia quando filmava”

O ator de 27 anos tem desempenho memorável em '1917'

Por Isabela Boscov Atualizado em 24 jan 2020, 11h06 - Publicado em 24 jan 2020, 06h00

Aos 27 anos e ator desde os 10, quando fez um papel em Peter Pan, o londrino George MacKay é o centro de 1917, com um desempenho memorável que combina resistência física e emoção contida, mas intensa. Ele contou a VEJA como foi participar do processo singular idealizado pelo diretor Sam Mendes.

Nunca se viu um filme em que as dimensões físicas e a disposição geográfica dos cenários fossem definidas pelo tempo dos diálogos, e em que os atores tenham colaborado tão de perto com a equipe técnica. Como foi participar dessa experiência? Por inacreditável que pareça, foi muito gradual e também confortável, mais ou menos como construir uma casa em equipe. Primeiro implantamos as fundações, depois levantamos as paredes, então construímos o telhado, cuidamos dos acabamentos — e aí fomos morar na casa. O que é realmente interessante é que os vários departamentos da filmagem não estavam prestando serviços uns aos outros, mas sim chegando juntos às decisões. Atores, câmeras, figurinistas, construtores, técnicos de áudio — todos trabalhamos ombro a ombro, e todos opinamos no trabalho uns dos outros.

A intensidade emocional exigida de você e de Dean-Charles Chap­man é imensa. Ao mesmo tempo, as marcações de cena eram de uma dificuldade extraordinária. Como conciliar essas duas demandas enquanto a câmera está rodando e nenhum erro pode ser cometido? Sem exagero, baixava uma euforia quando a ação começava. Depois de tantos meses ensaiando, a fisicalidade de cada cena já tinha virado uma espécie de segunda natureza — e, com ela, o estado emocional e psicológico vinha naturalmente também. Pode parecer um paradoxo, já que o trabalho de um ator é convocar determinadas emoções em um certo momento, mas descobri que o melhor era não tentar demais, e sim me deixar levar. Só um porém: cometemos muitos erros, sim. Alguns deles — uns poucos — ficaram tão bons que entraram na montagem final.

Sam Mendes se inspirou no avô dele, que foi mensageiro nas trincheiras da I Guerra. Fazer este filme neste momento também seria um comentário dele sobre a realidade atual? O clima que se vive no mundo traz à mente as circunstâncias que desembocaram na I Guerra, mas Sam não falou sobre isso conosco, e entendo por quê. Chamar a atenção para implicações sociais ou políticas reduziria o filme em vez de ampliá-lo: é quando se é lançado na experiência de ver o filme, sem distrações de qualquer ordem, que 1917 funciona na plenitude.

Esse método incomum de trabalho mudou algo na sua maneira de encarar o ofício de ator? Nós, atores, em geral nos prendemos demais à ideia de que esse é um trabalho que tem de ser feito em isolamento para reter certa pureza, sem se misturar além do necessário aos aspectos técnicos envolvidos em um filme. Mas mudei totalmente de opinião, e não vejo mais muito sentido nessa hierarquia. Quanto mais se tem a chance de influenciar o filme em que se está, mais rica e tridimensional é a criação de um personagem.

Publicado em VEJA de 29 de janeiro de 2020, edição nº 2671

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês