Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore’: o encanto se quebra

A sensação generalizada é de que o enredo pouco avança; o único consenso, ao que parece, é sobre a altíssima qualidade da produção

Por Isabela Boscov Atualizado em 8 abr 2022, 10h23 - Publicado em 8 abr 2022, 06h00

São vários os paradoxos que a série Animais Fantásticos enfrenta em seu terceiro capítulo, Os Segredos de Dumbledore (Fantastic Beasts: The Secrets of Dumbledore, Inglaterra/Estados Unidos, 2022), em cartaz a partir do próximo dia 14. Por exemplo: os cinco filmes planejados para ela devem compor um prólogo para Harry Potter. Mas, à parte os personagens presentes em ambas as fases, até aqui ainda não se vislumbra um encadeamento. As criaturas que dão título à saga e são o objeto de estudo do magizoólogo Newt Scamander (Eddie Redmayne) viraram coadjuvantes — assim como o próprio Newt. Bruxos muito mais experientes que Harry e seus jovens amigos da Escola Hogwarts estão em cena, mas aqui a magia em geral não é feita para encantar, mas para ser feroz, violenta, drástica. Os não iniciados no universo de Harry Potter reclamam da dificuldade de compreender a trama, enquanto os fãs se queixam da distância entre este mundo e aquele que os cativou. E muita coisa acontece, mas a sensação generalizada é de que o enredo pouco avança; o único consenso, ao que parece, é sobre a altíssima qualidade da produção. Os Segredos de Dumbledore, em suma, estreia com fortes ventos contrários.

SEGREDOS - Dumbledore (Law): um vínculo antigo, e forte, com Grindelwald -
SEGREDOS - Dumbledore (Law): um vínculo antigo, e forte, com Grindelwald – ./Warner Bros

Há outra possibilidade a considerar, porém: a de que a série tenha sempre desejado ser uma criatura à parte. O filme inaugural, de 2016, se passava em meados dos anos 1920, quando a intolerância, o nacionalismo e o conservadorismo exacerbado tentavam sufocar a agitação e o cosmopolitismo do período entreguerras. O segundo, de 2018, abordava a sedução dessa mensagem de medo e rancor: assim como ela fez o fascismo se alastrar nos anos 1930, em Os Crimes de Grindelwald o mago do título aliciava seguidores com imagens de um futuro em que tanques rolariam por cidades reduzidas a escombros e uma explosão traria um clarão nunca visto.

Animais fantásticos e onde habitam

O argumento que Gerardo Grindelwald (então Johnny Depp, agora Mads Mikkelsen, trazendo complexidades embriagantes ao papel) propunha, e que ele ora quer pôr em prática, é que os “trouxas” — os mortais comuns — são uma ameaça não só ao mundo deles, mas também ao dos bruxos, e têm de ser destruídos. O paralelo com a trajetória de Adolf Hitler não é sutil: parte de Os Segredos de Dumbledore se desenrola em uma Berlim tomada por flâmulas, onde o sinistro Grindelwald, recém-saído da prisão, quer tomar o poder sobre todos os bruxos pela via eleitoral e então iniciar uma guerra total. (Sua adversária é a moderada Vicência Santos, um papel pequeno ao qual Maria Fernanda Cândido dá gravidade e serenidade.)

VERSÃO DO PASSADO - Mikkelsen, que substitui Depp com honras como Grindelwald: trajetória moldada na de Hitler -
VERSÃO DO PASSADO - Mikkelsen, que substitui Depp com honras como Grindelwald: trajetória moldada na de Hitler – ./Warner Bros

Animais Fantásticos e Onde Habitam: o Roteiro Original

Continua após a publicidade

Impedido de agir diretamente contra Grindelwald em razão de um pacto de sangue e em dívida com Credence (Ezra Miller), o órfão de poderes terríveis, Alvo Dumbledore (Jude Law) recruta um grupo díspar de ajudantes, integrado pelo padeiro “trouxa” Jacob Kowalski (Dan Fogler), pela professora Lally Hicks (a ótima Jessica Williams), por Newt — a quem cabe proteger uma criatura mágica de importância crucial —, seu irmão Theseus (Callum Turner) e sua assistente, Bunty Broadacre (Victoria Yeates). Oscilando entre esse cenário de chumbo e o humor excêntrico, a direção de David Yates, em sua sétima incursão nesse universo, é fluida como sempre, mas nem sempre harmônica nas transições.

O PODER DA MÁGOA - Miller, como o órfão Credence: a dor que virou ódio -
O PODER DA MÁGOA - Miller, como o órfão Credence: a dor que virou ódio – ./Warner Bros

Animais fantásticos – Os crimes de Grindelwald

O que a nova série talvez não tenha previsto é que, ao se aproveitar do movimento inercial de Harry Potter para se lançar, seria atropelada por ele em algum momento. Se nos livros a autora e agora roteirista J.K. Rowling politizava as relações interpessoais, em Animais Fantásticos ela personaliza a política, por meio de personagens que se veem forçados a agir diante de forças que se articulam de modo inexorável. Interessante em si mesmo, o movimento de Rowling parece entretanto frustrar as expectativas da geração que cresceu lendo seus livros, descontente também com o que se passa fora de cena: o processo judicial que Amber Heard, ex-mulher de Depp, move contra ele por agressão; os episódios de comportamento violento de Ezra Miller; e sobretudo as declarações controversas de J.K. Rowling sobre pessoas trans, que resultaram em clamor e cancelamento, e talvez tornem a plateia menos disposta a ouvir dela as mensagens de tolerância, humanidade e racionalidade de Animais Fantásticos — por mais apropriadas que sejam.

Publicado em VEJA de 13 de abril de 2022, edição nº 2784

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Animais fantásticos e onde habitam
Animais fantásticos e onde habitam
Animais Fantásticos e Onde Habitam: o Roteiro Original
Animais Fantásticos e Onde Habitam: o Roteiro Original
Animais fantásticos - Os crimes de Grindelwald
Animais fantásticos – Os crimes de Grindelwald

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)