Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Vídeo: Seu Jorge dá canja no Pagode dos Arlindos

Cantor interpretou sambas de enredo como "Os sertões" e "É hoje"

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 00h27 - Publicado em 19 set 2015, 06h14

Jorge

O cantor Seu Jorge apareceu no Pagode dos Arlindos desta sexta-feira (18) no Clube Santa Luzia, no Rio de Janeiro, para comemorar os 57 anos de Arlindo Cruz, completados no dia 14, e deu uma ótima canja na roda de samba também comandada pelo filho do aniversariante, Arlindo Neto.

Seu Jorge subiu no palco inicialmente para cantar apenas o sucesso “Pretinha”, do seu repertório, mas depois voltou para emprestar o vozeirão a sambas de enredo históricos como os dois do vídeo abaixo, gravado por mim: “Os sertões”, da escola Em Cima da Hora, de 1976, baseado na obra de Euclides da Cunha; e “É hoje” (o dia da alegria…), da União da Ilha, de 1982, que as novas gerações conheceram pela regravação pop de Fernanda Abreu.

Reproduzo abaixo a letra do primeiro, com a devida explicação.

Eu estava lá para matar saudade dos sambas de Arlindo, mas a literatura também entrou na roda.

Assista.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=1HZ1-Ip4hOc?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Os sertões (1976)

Marcado pela própria natureza
O Nordeste do meu Brasil
Oh! solitário sertão
De sofrimento e solidão
A terra é seca
Mal se pode cultivar
Morrem as plantas e foge o ar
A vida é triste nesse lugar

Sertanejo é forte
Supera miséria sem fim
Sertanejo homem forte (bis)
Dizia o Poeta assim

Foi no século passado
No interior da Bahia
O Homem revoltado com a sorte
do mundo em que vivia
Ocultou-se no sertão
espalhando a rebeldia
Se revoltando contra a lei
Que a sociedade oferecia

Continua após a publicidade

Os Jagunços lutaram
Até o final
Defendendo Canudos (bis)
Naquela guerra fatal

ossertoes

edeor

* O historiador Luiz Antonio Simas, coautor, ao lado de Alberto Mussa, do ensaio “Samba de Enredo, História e arte”, lançado pela editora Civilização Brasileira (2010), descreveu assim o samba acima:

“Os Sertões, o livro de Euclides da Cunha, é um calhamaço de mais de 500 páginas, dividido em três partes: a terra, o homem, a luta. Retrata, com a linguagem caudalosa do gênio, a Guerra da Canudos, ocorrida em 1897 no sertão da Bahia. Enviado ao cenário do conflito como jornalista, Euclides foi além dos limites da reportagem e escreveu uma obra maior da literatura universal.

Quando a Em Cima da Hora, a tradicional agremiação de Cavalcante, anunciou o enredo para o Carnaval de 1976, muita gente boa considerou a tarefa dos compositores de samba-enredo uma das mais complicadas da história dos desfiles: o tema era exatamente ‘Os Sertões’.

É possível sintetizar a obra de Euclides da Cunha em um samba? É viável carnavalizar um episódio dramático como a Guerra de Canudos, dos mais trágicos e impactantes da história do Brasil? Que diabos a Em Cima da Hora pretendia com os Sertões?

Quanto à primeira tarefa, o resultado foi simplesmente o mais surpreendente da história da folia. O samba-enredo, composto pelo mecânico Edeor de Paula (foto), realizou certamente a mais bem-sucedida síntese da história da música brasileira em qualquer gênero e em qualquer tempo.

A primeira parte, em tonalidade menor (mais conveniente ao lamento da dureza da vida), caracteriza a aridez do cenário em versos curtos e geniais (‘ó solitário sertão / de sofrimento e solidão / a terra é seca / mal se pode cultivar / morrem as plantas / e foge o ar / a vida é triste / neste lugar’), e define, no refrão do meio, o homem do sertão com a sentença mais famosa de Euclides da Cunha (“sertanejo é forte/supera a miséria sem fim/ sertanejo homem forte/dizia o poeta assim”).

A segunda parte, em tonalidade maior, mais adequada ao relato de um combate, remete aos lances dramáticos da guerra. Localiza Canudos no contexto da Primeira República, enfatiza a rebeldia mística de Antônio Conselheiro e termina com a exortação aos jagunços que defenderam o arraial. É uma aula! Não à toa, o samba é dos mais utilizados por professores de História que (como eu) trabalham a questão de Canudos com alunos do Brasil inteiro. (…)”

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)