Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Sérgio Moro decide manter presos dois comparsas de Lula: Vaccari e Alexandrino. Quem vai delatar o “chefe” primeiro?

Dois comparsas de Lula, o Brahma, permanecerão por mais tempo na cadeia: o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o ex-dirigente da Odebrecht Alexandrino Alencar. 1) O juiz Sergio Moro negou um pedido de revogação de prisão feito pela defesa de Vaccari, acusado de intermediar pagamentos de propina através de doações oficiais ao PT. Moro alegou que é necessário esperar […]

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 5 jun 2024, 00h56 - Publicado em 24 jun 2015, 06h01

Dois comparsas de Lula, o Brahma, permanecerão por mais tempo na cadeia: o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o ex-dirigente da Odebrecht Alexandrino Alencar.

1) O juiz Sergio Moro negou um pedido de revogação de prisão feito pela defesa de Vaccari, acusado de intermediar pagamentos de propina através de doações oficiais ao PT.

Moro alegou que é necessário esperar o final da fase de instrução dos processos a que Vaccari responde, para então avaliar as provas do processo.

“Na sentença, nas duas ações penais, é que será possível exame aprofundado de fatos e provas e, se for o caso, a revisão da preventiva segundo resultado do julgamento”, justificou o juiz.

Este é Vaccari, dono de um apartamento no mesmo prédio concluído pela OAS em que Lula tem um triplex:

Vaccari Lula

2) Moro ainda prorrogou na terça-feira por 24 horas a prisão temporária de Alexandrino, após o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa ter implicado o executivo em um esquema de pagamento de propina envolvendo a petroquímica Braskem.

Continua após a publicidade

Costa confirmou à Polícia Federal que Alexandrino negociou com o doleiro Alberto Youssef e com o ex-deputado federal José Janene (PP-PR) o pagamento de 3 a 5 milhões de dólares em propina, entre 2006 e 2012.

(Youssef, segundo O Globo, detalhou depósitos de 4 milhões de dólares feitos pela Odebrecht a uma empresa de fachada usada no esquema do petrolão.)

Moro deverá converter nesta quarta-feira a prisão temporária em preventiva, que é aquela sem prazo determinado para o término.

Este é Alexandrino, o acompanhante de Lula em viagens internacionais para lobby em favor da Odebrecht:

Lula AlexandrinoApesar de tudo, a coluna Painel, da Folha, informa:

“Alexandrino Ramos de Alencar e os demais executivos presos da Odebrecht não devem aderir à delação premiada, mesmo tendo pedido afastamento de seus cargos na empreiteira. As demissões — uma praxe para tentar reverter as prisões — levaram temor ao meio político de que eles planejassem se desvincular da defesa da empresa, mas o depoimento de Alencar na segunda-feira mostra consonância com a estratégia de negar envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.”

Continua após a publicidade

Por enquanto.

Quanto mais Moro mantiver presos os comparsas de Lula, maior será o “temor no meio político” de que eles abram a boca para saborear lulinha frita com Brahma.

Lula frita Brahma

Felipe Moura Brasil ⎯ https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.